Suspeitos de adulteração de leite são presos em operações em Santa Catarina e Rio Grande do Sul

0
8

Vinte mandados de prisão foram cumpridos na manhã desta terça

SANIDADE

19/08/2014

O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) deflagrou na manhã desta terça, dia 19, duas operações simultâneas para combater crimes de adulteração de leite. Foram cumpridos 20 mandados de prisões e 11 mandados de buscas e apreensões nas unidades industriais, residências e propriedades rurais de sete cidades do oeste e extremo-oeste de Santa Catarina e noroeste do Rio Grande do Sul, das empresas Lejeado Grande e Laticínios Mondaí.

• Relembre os principais fatos e as repercussões de esquemas de adulteração de leite no Sul do país

De acordo com o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), as apurações iniciaram há cerca de cinco meses e estão focadas em empresas de laticínios, unidades resfrigeradoras e transportadoras de leite. A suspeita é de que empresários e funcionários estejam falsificando e adulterando o leite, tornando-o nocivo à saúde ou reduzindo o valor nutricional. Segundo os investigadores, o leite era misturado com ureia, contendo formol, para mascarar a adição de água. É investigada também uma empresa de fachada que serviria para a compra de componentes químicos para a adulteração.

As operações recebem os nomes de “Leite Adulterado I” e “Leite Adulterado II”, em face de empresas localizadas nos municípios de Lageado Grande, Ponte Serrada e Mondaí, todos em Santa Catarina, e Vista Alegre, no Rio Grande do Sul.

Foram mobilizados para atuar nas operações cerca de 60 agentes dos GAECOs, inclusive promotores de Justiça e policiais do Estado do Rio Grande do Sul, além do Instituto Geral de Perícias e de 12 fiscais do MAPA/SIF.

As informações sobre os lotes contaminados e as identidades dos presos ainda não foram divulgadas.

Por meio de nota, em sua página no Facebook, a empresa Lajeado informou que segue todos os procedimentos de controle interno de qualidade, tanto na recepção do leite quanto no processo de fabricação, levando em conta os critérios do Mapa. Sobre o lote 59, que foi retirado do mercado, a empresa declara que todas as providências necessárias já foram tomadas. A Laticinios Mondai não se pronunciou.

MPSC

Fonte: pecuaria.ruralbr.com.br