Sorgo Biomassa cresce como alternativa para bionergia

0
8

05/11/2013

Enquanto o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que o Brasil cresceu 0,9% o PIB em 2012 em relação ao ano anterior, a ANEE (Agencia Nacional de Energia Elétrica) divulgou que no mesmo período o consumo de energia elétrica brasileiro aumentou 3,5%.  Fortemente impulsionado por um abastecimento via hidrelétricas, o Brasil, no entanto, vem nos últimos anos avançando em fontes alternativas de energia como se pode observar nos últimos leilões de energia realizados no país, sendo o ultimo deles fechado em 28 de Agosto.  A busca por alternativas para atender a crescente demanda de energia no Brasil são diversas, entre as biomassas: cavaco de madeira e o bagaço de cana são as fontes de matéria-prima mais comuns, no entanto devido à alta demanda e relativa escassez, uma nova tendência surge: culturas dedicadas especificamente à produção de biomassa, entre as propostas destaca-se o sorgo biomassa.

“A perspectiva do aumento de área plantada com biomassas dedicadas é grande desde a matéria prima proposta atenda o mercado em: custo, facilidade de cultivo e boa geografia para avanço. O crescimento da população requer da área agrícola mais alimentos e também maior produção de energia”, afirma Tatiana Gonsalves, diretora comercial da NexSteppe no Brasil. O sorgo biomassa quando comparado à outras culturas alternativas, destaca-se por atender a necessidade do mercado em seus quesitos básicos : custos, cultivo e geografia além de  possuir ampla base genética e rápido ciclo de melhoramento, fundamental para se produzir plantas dedicadas.  Palo Alto, nome comercial do sorgo biomassa da Nexsteppe, é especialmente desenvolvido para atender o mercado de biocombustão, pois possui baixa umidade e consequente alto poder calorífero nas caldeiras.

A NexSteppe é a única empresa exclusivamente dedicada ao desenvolvimento da próxima geração de soluções sustentáveis em matéria-prima para as indústrias de biocombustíveis, bioprodutos e biocombustão. Um destaque da empresa são seus profissionais altamente capacitados para orientar o campo a produzir mais e alcançar o potencial máximo das culturas energéticas. “Investimos na formação e qualificação dos nossos profissionais para oferecer ao segmento um serviço de qualidade e precisão, agregando valor aos negócios dos empresários”, comemora Tatiana.

O Sorgo Biomassa tem um ciclo rápido, com cerca de 100 a 120 dias, podendo claramente ter duas safras por ano. Agricultores do Cerrado já estão ampliando suas fronteiras agrícolas plantando culturas energéticas em áreas de baixo potencial para produção de alimentos. “Isso é uma perfeita integração de como a área agrícola pode cumprir sua função e prover a humanidade de alimentos e também energia“, comemora Tatiana.

Fonte: Agrolink