Leite de ovino é fonte de renda

0
95
A ovinocultura está em expansão, onde a produção de leite ovino será um novo nicho de mercado

O leite mais produzido no mundo é o de vaca, com aproximadamente 85% do total, já o leite de ovelha representa apenas 1,5%. No Brasil, os primeiros ovinos com aptidão leiteira foram da raça Lacaune importados da França, na década de 90, para o estado do Rio Grande do Sul.

A raça Lacaune é considerada de dupla aptidão: 60% para produção de leite, com o qual é fabricado queijo e derivado, e 40% produção de carne proveniente do abate precoce dos cordeiros. A fêmea produz em média 1,5 litro de leite por dia, sendo que o período de lactação é em torno de cinco meses e com aproximadamente cinco litros de leite de ovelha é possível fazer um quilo de queijo.

Outra alternativa para os criadores iniciarem a produção de leite ovino poderá ser através do cruzamento absorvente de animais com aptidão para carne (Ille de France ou Texel) com um macho leiteiro – Lacaune, gerando produto com boa produção de leite e os cordeiros pesados.

A busca por alternativas para a produção primária e a necessidade de sistemas de produção intensivos para a pequena propriedade, despertou interesse de criadores, para ovinocultura de leite em Santa Catarina. Também incentivado pelo surgimento de um lacticínio direcionado para o beneficiamento do leite de ovelha.

Com isso, a produção de leite ovino no estado de Santa Catarina vem se intensificando, principalmente, na região Oeste, onde estão concentrado os maiores rebanhos de ovinos de leite que está se estendendo para a região do Planalto Catarinense.

A ovinocultura de leite pode ser uma atividade complementar aos demais produtos explorados na propriedade, pois as ovelhas de leite podem conviver em consórcio com bovinos de leite. Dessa forma, a produção de leite ovino torna-se uma nova fonte de renda ao produtor, haja vista que preço pago pelo litro de leite é bastante compensador e, além disso, também poderá ser acrescentada a produção de cordeiros e lã.

 
 

Fonte: Monica Urio Acadêmica da 9º Fase do Curso de Zootecnia UDESC/Chapecó Estagiária da Epagri/EELageshttp://www.correiolageano.com.br/htmNoticia.php?id=10281&c=4

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here