GO: Surgem os primeiros resultados do trabalho de erradicação da aftosa

0
3

12/11/2013

O presidente da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), Antenor Nogueira, anunciou que a campanha pró-erradicação da aftosa vem dando seus primeiros frutos em termos comerciais. Ele informa que técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) já estão em Goiás fazendo auditorias em seis grandes indústrias candidatas ao certificado especial que as habilitará a vender carne em todo o País, diretamente, sem intermediários. Com isso, a indústria goiana da carne fica a um passo da certificação super especial que permitirá vender seu produto diretamente ao exterior.

Antenor adiantou que foi terminado o chamado inquérito da tuberculose bovina, uma ação da Agrodefesa e do Ministério da Agricultura visando erradicar a peste que atacou menos de 0,5% do rebanho goiano.

Uma cifra pequena, mas que não consente às autoridades permanecer inertes. A tuberculose bovina só pode ser erradicada com o sacrifício das rezes infectadas. “Esses animais estão sendo abatidos e seus proprietários estão sendo indenizados”, informou Antenor. Segundo afirmou, nos próximos dias Goiás obterá o certificado de Zona Livre da Tuberculose Bovina, o que permitirá a inserção do Estado nos mercados que exigem o controle dessa doença.

Metas

Para José Mário Schreiner, presidente da Federação da Agricultura do Estado de Goiás, o engajamento do governo estadual no combate à aftosa terá papel decisivo na obtenção de resultados vitoriosos. “Este é o caminho que nos levará à certificação de Zona Livre de Aftosa sem Vacinação”, prediz.

Alcançar o certificado de Zona Livre de Aftosa sem Vacinação é a meta que governo, entidades classistas e pecuaristas vêm perseguindo há 13 anos, quando Goiás recebeu o certificado de Zona Livre de Aftosa com Vacinação. Isto pode acontecer já no final do ano que vem, ou até 2016, na avaliação de José Mário. Este certificado suspende as últimas restrições à carne goiana, impostas pelos mercados estrangeiros.

Na expectativa de melhorar os negócios, informa José Mário Schreiner, pecuaristas goianos, por meio de suas entidades, já estão instalando escritórios em Bruxelas, capital da União Europeia, e em Pequim, capital da China, o maior mercado consumidor de commodities da atualidade. “Sem a adesão do produtor não haveria isso”, comemorou o governador Marconi Perillo ao referir-se aos 18 anos de ausência da aftosa em Goiás.

(Com informações do Portal Goiás Agora)

Fonte: DM.com.br
Autor: Helton Lenine