GO: Ambiente saudável para bovinos

0
8

12/11/2013

Há 18 anos, não se verifica um único foco de febre aftosa em Goiás. Há treze anos, o Estado recebeu de organizações internacionais o certificado de Zona Livre de Aftosa com Vacinação. Estima-se que em, no máximo dois anos, Goiás esteja recebendo o certificado de Zona Livre de Aftosa sem Vacinação. Isto significa que a doença estará definitivamente erradicada.

O fato foi celebrado em um evento que reuniu autoridades, líderes classistas e pecuaristas na Fazenda Covoá, em Goianésia, no início deste mês. O evento coincidiu, ainda, com o lançamento da 2ª Etapa da Campanha de Vacinação contra Febre Aftosa 2013. A campanha é promovida pela Agrodefesa, autarquia estadual responsável pela vigilância sanitária animal e vegetal em Goiás.

O governador destacou o empenho da Agrodefesa em erradicar do território goiano a aftosa. “Só estamos conseguindo ampliar os nossos mercados por conta deste cuidado”, assegurou. “As exportações acontecem porque há uma cerrada vigilância”, enfatizou.

Goiás possui um rebanho bovino estimado em 22 milhões de cabeças. A exportação de carne é, atualmente, uma das principais fontes de divisas para o Estado. Goiás tem sido fornecedor de carne bovina para a Europa, à Ásia e aos Estados Unidos.

O governador Marconi reparou que tem sido comum no Brasil o dumping de outros países contra os nossos produtos. Constitui o dumping uma prática desleal de concorrência econômica que visa, entre outras coisas, desmoralizar o produto do concorrente, levando-o a ser boicotado pelo consumidor. Daí, no dizer do governador goiano, “arrumaram-se as desculpas mais esfarrapadas” para levar descrédito ao campo.

O aparecimento de um simples foco de aftosa significa o imediato bloqueio das importações da carne brasileira em todos os países do mundo. É por essa razão que o combate à febre aftosa tem um significado que transcende à mera vigilância sanitária. Ela tem um significado econômico. Para o produtor, significa maior rentabilidade.

Produtor consciente

“Os preços de exportação são melhores do que os do mercado interno, com um incremento em média de pelo menos R$ 2 a arroba”. É o que afirma, com a autoridade de presidente do Grupo Otávio Lage, proprietário da Fazenda Covoá, o pecuarista Ricardo Fontoura, um dos maiores exportadores de carne de Goiás.

Ricardo destaca e valoriza o esforço das autoridades estaduais em dar combate sem trégua à febre aftosa. Mas nota que os êxitos obtidos até aqui se devem, também, à uma mudança de mentalidade do produtor. Ricardo admite que até pouco tempo atrás havia, por parte do produtor, uma grande má vontade em vacinar o gado, uma espécie de resistência passiva que anulava o empenho governamental em sanear os rebanhos.

Houve tempo, segundo Ricardo, que o fazendeiro comprava a vacina só para obter o documento que o habilitava a vender seu gado para o abate. Comprava-se vacina para jogar fora. “A vacinação é cara, mas é necessária; ela judia do rebanho, que perde peso no dia da aplicação da vacina, tem que ser levado ao tronco”. E arremata: “Era uma enganação que só prejudicava a gente mesmo”. Atualmente, diz ele, a mentalidade é outra. “Eventos como este, que tivemos na Fazenda Covoá, com o governador e o Ministério da Agricultura prestigiando, o pecuarista vai se conscientizando”, afirma.

O Ministério da Agricultura, segundo seu superintendente em Goiás, Francisco Carlos de Assis, tem sido um importante parceiro do governo estadual no combate à aftosa. Ele informa que este ano o Ministério já alocou recursos da ordem de R$ 22 milhões para ações de defesa sanitária animal e vegetal, e aquisição de equipamentos.

Segundo Ricardo, o governo “tem feito a parte dele”, mas a erradicação da aftosa é um objetivo cuja conquista depende muito do pecuarista. “O governo está prestigiando o pecuarista, facilitando no que pode, mas sempre exigindo que se faça a vacinação”, observa. Ele qualifica de “impressionante” este esforço governamental, mas insiste em que o engajamento do produtor é fundamental.

(Com informações do Portal Goiás Agora)

Fonte: DM.com.br
Autor: Helton Lenine