Filtragem da água para a criação de camarões

0
33

autor: Redação RuralNews
data: 27/08/2014

Antes de entrarem nos tanques, as águas doces, salobras ou salgadas, por mais limpas que pareçam ser, devem ser filtradas, ou melhor, clarificadas, principalmente as de superfície, porque podem conter corpos estranhos como terra, animais e vegetais quase microscópicos, impurezas, detritos, etc., muitos deles podendo ser prejudiciais aos camarões.

O perigo maior, no entanto, pode ser a existência de germes, ovos ou larvas de parasitas ou de diversos insetos predadores, cuja presença nos tanques seria muito prejudicial ou até mesmo fatal para os camarões. Existem filtros de diversos tipos, modelos, tamanhos ou capacidade, etc. Entretanto, os mais aconselháveis são os filtros de areia, como os que abordaremos a seguir.

Filtro de areia

Muito eficiente, prático, resistente, de grande durabilidade, de construção fácil, pode ser construído pelo próprio criador. É formado por duas caixas germinadas, de alvenaria, de tijolos e cimento, de fibrocimento, de fibra de vidro ou qualquer outro material impermeável. Essas duas caixas se comunicam por meio de uma abertura na sua parte de baixo, na parede que as separa e a uns 20cm de altura do seu piso.

A água entra na parte de cima da primeira caixa, por uma abertura ou por um cano. A saída da água, da segunda caixa, para o exterior do filtro pode, também, ser uma simples abertura ou um cano de plástico ou PVC, mas não de metal. Colocamos no fundo das duas caixas uma camada de pedra britada bem pequena e, sobre ela, uma areia bem grossa, de rio. Quanto mais grossas forem essas camadas, mais limpa a água sai. Entre essas duas camadas, podemos colocar uma terceira, de carvão vegetal, o que tornaria a água ainda mais limpa, mas que traria alguns problemas como a alteração do seu pH. No presente caso, o seu uso pode ser dispensado.

O rendimento desse tipo de filtro varia de acordo com o seu tamanho e capacidade de entrada e de saída da água.

Filtro removível de areia

Para construí-lo, basta que peguemos um tambor de óleo pintado por dentro com tinta epoxi, para isolar a água do metal ou, então, um bujão de plástico. Devemos adaptar a ele, na sua parte de baixo, uma saída de água, como um cano, por exemplo, mas com tela na parte interna do filtro, para evitar a saída de pedras ou areia das camadas desses materiais que devemos colocar dentro do tambor ou bujão, como o fazemos no filtro de alvenaria, descrito anteriormente.

A água entra nesse tipo de filtro, por cima, através de um encanamento ou mesmo de uma “bica” de madeira. É um tipo de filtro bastante eficiente, de custo reduzido e que atende as necessidades do criador.

 

Fonte: ruralnews