Feijão: Perdas no Paraná vão impactar em janeiro

0
2
annquasarano (CC0), Pixabay

Publicado em 11/12/2018

Sim, depois de excesso de chuvas as coisas não vão bem nas lavouras do Paraná para os Feijões. Ocorre que todos conhecem os efeitos das chuvas e das estiagens na sequência para o plantio. A planta não desenvolve, na sua primeira fase, raízes suficientemente profundas para encontrar a água, depois, quando vem a estiagem, quando precisa encontrar água, não tem capilaridade e profundidade. Não é geral e pega mais forte os Feijões plantados mais cedo. Porém, são notícias que ajudam vocês a buscarem melhor valor por seu Feijão. Também, desarmamos compradores que vêm com conversa fiada de que o Paraná seria a salvação do abastecimento de Feijão-carioca. Laércio Dalla Vechia, produtor paranaense, lembra que “3 dias atrás quase houve geadas e, agora, para o sudoeste do Paraná, há previsão de bater os 35º C.” O Engenheiro Agrônomo Fabiano Paganella, de Vacaria, ressalta que, com temperaturas acima de 32º C, ocorrem abortamentos de parte das flores e das vagens do Feijão. Na região de Palotina, alguns produtores relatam que houve áreas colhidas nestes últimos dias com 11 a 20 sacos de produtividade. Não é somente a estiagem que atingem essas lavouras, mas também inúmeras doenças, entre elas as radiculares. Estas perdas estão precificadas nos níveis de R$ 160 em Minas Gerais e de R$ 170 em São Paulo. Janeiro vai ser um mês muito interessante para o mercado de Feijão em geral.
Fonte: IBRAFE