Clima torna necessário melhoramento genético

0
4
Comfreak (CC0), Pixabay

11/02/2019

O aquecimento global e as mudanças na quantidade e na localização da água são fatores-chave para necessidade de continuar com os programas de melhoramento de culturas. Foi isso que afirmou um artigo publicado no portal AgroPages.com, que listou alguns exemplos de melhoramento genético desenvolvidos pela Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Unidos, ressaltando a importância de cada um.

“Além disso, existem muitas doenças que afetam o rendimento e a qualidade das culturas. Precisamos continuar criando novas variedades de culturas resistentes a doenças para garantir um suprimento adequado e saudável de alimentos”, diz o texto.

Com a cevada, por exemplo, matéria prima para a cerveja, os pesquisadores trabalham com duas abordagens diferentes. “A primeira envolve a seleção de variedades que podem ser plantadas no outono, sobreviver ao inverno e estar pronta para a colheita no início do próximo verão. Ao mesmo tempo, estamos criando variedades que farão o melhor uso da precipitação disponível, já que enfrentamos crescentes tempos de seca”, informa.

No caso do trigo, que é adaptável a vários ambientes e usado como produto principal em muitos alimentos, a possibilidade é desenvolver cultivares que sejam resistentes a doenças, a insetos e tolerantes à seca e à temperatura, enquanto continuam sendo de alta produtividade. “Para melhorar a eficiência da criação, procuramos marcadores moleculares. Temos muitos dados coletados sobre o código genético do trigo, que é compartilhado em vários bancos de dados. Isso nos ajuda a ser criativos e a procurar maneiras de cruzar variedades diferentes”, indica.

Com a batata, outra cultura pesquisada amplamente na Universidade, mas que é diferente do trigo e da cevada por sua nutrição em tubérculos subterrâneos, os cientistas têm um cuidado a mais. Isso porque ela é a terceira cultura alimentar mais importante do mundo. “Além disso, os criadores estão desenvolvendo batatas especiais com maior conteúdo de fitonutrientes. Eles estão usando informações moleculares e genômicas para melhorar a eficiência da reprodução”, conclui.

 

Fonte: Agrolink