Cientistas formam rede para pesquisar plantas ornamentais da América do Sul

0
3

Pesquisadores sul-americanos estarão reunidos em Fortaleza de 24 a 26 próximos para participar do Workshop de Recursos Fitogenéticos Ornamentais da América do Sul

Embrapa Agroindústria Tropical

O evento, promovido pela Embrapa Agroindústria Tropical, na sede da unidade descentralizada da Embrapa, em Fortaleza, tem como principal objetivo formar uma rede de pesquisadores que desenvolvam estudos com as plantas ornamentais nativas para auxiliar o fortalecimento do mercado de floricultura no continente.

“O fluxo do comércio internacional da floricultura é avaliado em US$ 9 bilhões”, diz a pesquisadora Ana Cecília Castro, que coordena o evento. Segundo ela, além de movimentar cifras bilionárias, a floricultura possibilita retorno econômico relativamente rápido em pequenas áreas. Outra vantagem é a criação de muitos postos de trabalho, em média dez a 15 pessoas por ha. “Isso contribui para a fixação do homem no campo e para a ocupação das áreas com aptidão agrícola no entorno das grandes cidades, situação desejável para o toda a América Latina”, afirma.

Conforme a pesquisadora Ana Cecília Castro, os países sul-americanos apresentam grande quantidade de recursos fitogenéticos ornamentais. Contudo, poucos pesquisadores estão trabalhando de forma integrada nesta temática, principalmente nas atividades de domesticação das espécies, propagação e melhoramento para aproveitamento sustentável.

A atividade é movida por novidades, permitindo a constante entrada de novos produtos no mercado internacional. Conforme a pesquisadora, os países da América do Sul dispõem, em suas floras nativas, de espécies únicas no mundo e passiveis de aproveitamento racional com fins comerciais. “Eles saem favorecidos em um nicho de agronegócio marcado pela intensa competição de países economicamente mais fortes em outros continentes”.

RIQUEZA GENÉTICA – Parte do material genético da flora nativa da América do Sul já foi incorporado em programas de pre-melhoramento e melhoramento genético de empresas nacionais e multinacionais que exploram o negócio. “Prova disso são as numerosas espécies que podem ser encontradas em catálogos internacionais que têm uma base genética aportada de algum centro de origem americano”, alerta a pesquisadora.

O grave, contudo, é que os países da região não têm recebido benefícios por este aporte. “Sem falar que os produtores locais são penalizados com o pagamento de royalties pelo direito de comercializar estas variedades ornamentais”, revela Ana Cecília Castro. Entre os exemplos estão plantas como Alstroemeria e Anthurium, ou mesmo espécies da família Eriocaulaceae (Sempre vivas). Para a pesquisadora, a situação decorre da carência de pesquisa e da lentidão no desenvolvimento tecnológico na área de interesse.

WORKSHOP – Na primeira etapa dos trabalhos, os pesquisadores farão exposições sobre as pesquisas desenvolvidas nos diversos países. Em seguida, serão formados grupos de trabalho para propor ideias e dar os primeiros passos em direção a um projeto de pesquisa na área de recursos genéticos. Os pesquisadores formatarão ainda a proposta de uma escola de horticultura para as Américas e discutirão o levantamento da cadeia produtiva de produção de mudas em biofábricas na América do Sul.

O evento contará com a participação do precursor da floricultura tropical no Brasil, Carlos Castro, do Instituo Agronômico de Campinas (IAC). Ele falará sobre demandas estruturais da floricultura e flora de interesse ornamental do Brasil. Estarão presentes diversos outros cientistas, como Lucia Atehortua, da Universidade Antioquia (Colômbia), Gabriela Verdugo, diretora da Escola de Agronomia da PUC de Valparaíso (Chile) e Alejandro Escandon, do Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria (INTA – Argentina).

O Workshop é financiado pelo Programa Sul-Americano de Apoio às Atividades de Cooperação em Ciência e Tecnologia do CNPq. Recebe apoio também do Fortaleza Convention & Visitors Bureau.

Fonte: http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?tit=cientistas_formam_rede_para_pesquisar_plantas_ornamentais_da_america_do_sul&id=60864

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here