BNDES injeta R$ 36 mi em assentamentos da reforma agrária no RS

0
2
24/07/13
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou operação no valor de R$ 36 milhões para projetos de qualificação e fortalecimento de atividades produtivas em assentamentos da reforma agrária no Rio Grande do Sul.

Os recursos são não reembolsáveis, provenientes do BNDES Fundo Social, e serão concedidos ao governo do Estado para o Programa de Qualificação da Infraestrutura Básica e Produtiva dos Assentamentos, operacionalizado pelo Fundo de Terras do Estado do Rio Grande do Sul (FUNTERRA).

A esse montante somam-se R$ 30 milhões contratados em abril de 2012, no âmbito da linha BNDES Estados, e mais R$ 6 milhões, assegurados pelo Governo do Estado para investimentos adicionais nos assentamentos. No total, R$ 72 milhões em recursos serão destinados à inclusão socioprodutiva nos assentamentos da reforma agrária gaúchos.

Uma equipe do Banco estará na próxima semana no Rio Grande do Sul, em visita de acompanhamento aos projetos. Técnicos do Banco participam de reunião na segunda-feira, 29, na Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo, em Porto Alegre. No dia seguinte, a equipe segue para Eldorado do Sul, onde visita o assentamento da Cootraf. Na sequência, serão visitadas as cooperativas Cooperterra, em Tupanciretã (dia 31), Cooperforte, em Santana do Livramento (1º/8), e Cooperal, em Hulha Negra (2/8).

As operações contratadas pelo BNDES buscam apoiar projetos de estruturação e qualificação de empreendimentos produtivos coletivos. Os beneficiários são famílias de trabalhadores rurais de assentamentos regularmente cadastrados no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e organizadas em cooperativas ou associações.

Dentre os projetos estruturantes identificados como oportunidades de investimento, estão a reestruturação da cadeia produtiva do leite, a produção e qualificação de arroz ecológico e a instalação de padaria, cozinhas e unidades de processamento de vegetais nos assentamentos. Os projetos terão ênfase na inclusão socioprodutiva de mulheres, possibilitando a redução da desigualdade de gênero. Até o momento, já foram aprovados 27 projetos, no valor global de R$ 6,8 milhões, com potencial para beneficiar 4.849 pessoas.

O Governo do Estado, com suporte do Banco de Desenvolvimento do Estado do Rio Grande do Sul (BADESUL) e da EMATER/RS, será o responsável pelo acompanhamento direto da execução dos projetos e pela comprovação físico-financeira dos recursos liberados pelo BNDES. Estima-se que mais de 13 mil famílias de agricultores gaúchos sejam beneficiadas, ao final da operação.

Impactos sociais – O público-alvo dos assentamentos é considerado prioritário para o BNDES, tanto por sua importância na produção de alimentos da cesta básica quanto em virtude da fixação de populações no meio rural, contribuindo para um desenvolvimento mais equilibrado do País.

A modernização do sistema produtivo rural nos assentamentos gaúchos tem ênfase na produção agroecológica, na produção para o autoconsumo e na agregação de valor para a produção, viabilizando a permanência das famílias no campo, com qualidade de vida.

Agrolink com informações de assessoria