Biólogos estudam enzimas que fazem trigo combater fungos

0
5
Free-Photos (CC0), Pixabay

11/03/2019

Cientistas da Universidade Secundária de Medicina de Moscou, na Rússia, estudaram a reação de plantas de trigo aos danos causados por fungos patogênicos. Eles examinaram a ativação de enzimas envolvidas na morte celular induzida em resposta à infecção e publicaram resultados da pesquisa e classificação de enzimas no International Journal of Molecular Sciences.

A resistência de plantas a microrganismos nocivos, os chamados patógenos, é amplamente determinada por um conjunto de enzimas codificadas no DNA, que estão envolvidas na morte de células infectadas e impedem a disseminação da infecção. Tais enzimas que fornecem a quebra de proteínas são chamadas de proteases.

Apesar da importância do trigo na agricultura e na ciência, incluindo a biotecnologia, a reação dessas plantas aos patógenos é descrita apenas em geral, sem enfocar proteínas específicas. A complexidade do estudo refere-se ao fato de que o trigo, como a maioria das outras plantas, é poliploide.

Isso significa que cada célula tem vários conjuntos de cromossomos. No caso do trigo, atribui-se ao fato de que Tríticum aestívum (espécie de trigo utilizada na agricultura) foram cultivadas por cruzamento de Triticum Urartu, Aegilops tauschii e espécies relacionadas. Como resultado, o genoma do trigo é complexo e contém 107 mil genes, quase cinco vezes mais do que um genoma humano.

O cultivo é exposto a vários patógenos (bactérias, vírus, fungos), nematóides e insetos. Algumas dessas pragas parasitam células vegetais vivas, retardando seu crescimento (patógenos biotróficos), outras se alimentam de conteúdo celular que leva à sua morte (patógenos necrotróficos).

 

Fonte: Agrolink