Pesquisa oferece nova visão sobre bactérias em vacas

0
41
Capri23auto (CC0), Pixabay

O gado, como os seres humanos, abriga uma grande variedade de bactérias em seus narizes

Novas pesquisas conduzidas por acadêmicos da Faculdade de Medicina e Medicina Veterinária da Universidade de Bristol, no Reino Unido, usaram a abordagem ‘One Health’ para estudar três espécies bacterianas no nariz de bovinos jovens e descobriram que o transporte das bactérias era surpreendentemente diferente. A descobertas que combinaram ideias e métodos de pesquisa em saúde animal e humana podem ajudar a prevenir e controlar doenças respiratórias.

O gado, como os seres humanos, abriga uma grande variedade de bactérias em seus narizes, micróbios normalmente presentes e provavelmente necessários para a saúde, como os que vivem no intestino. No entanto, algumas espécies dessas bactérias às vezes causam doenças graves, particularmente quando a infecção é estabelecida no trato respiratório inferior dentro dos pulmões.

Em um documento de acesso aberto publicado na Scientific Reports, os pesquisadores investigaram os padrões de aquisição e eliminação desses micróbios em bovinos jovens e saudáveis, que não haviam sido previamente estudados em detalhes. A equipe de pesquisa coletou amostras nasais em intervalos durante o primeiro ano de vida, para detectar sua presença e medir sua abundância usando uma técnica de detecção de DNA chamada reação em cadeia da polimerase quantitativa (qPCR) que os genes alvo encontraram em três espécies bacterianas conhecidas por sua capacidade de causar doenças respiratórias em bovinos: Histophilus somni, Mannheimia haemolytica e Pasteurella multocida.

Os pesquisadores descobriram que os padrões de transporte das três bactérias diferiam acentuadamente. Pasteurella foi encontrada na maioria dos animais, geralmente havia um grande número de bactérias presentes, e as bactérias permaneciam no nariz por semanas ou meses. O histophilus esteve presente em até metade dos animais, geralmente em menor quantidade e os períodos em que esteve presente foram mais curtos. Mannheimia foi raramente encontrada, embora os números detectados, quando presentes, variassem amplamente.

Fonte AGROLINK