Italiana Brazzale alerta para falta de competitividade de lácteos no Brasil

0
19
Benjamin Sz-J. por Pixabay

Piercristiano Brazzale, que com os irmãos Roberto e Gian dirige a Brazzale, mais antiga indústria de lácteos da Itália, não esconde a surpresa com o que viu recentemente num supermercado de Campo Grande (MS): seu queijo Grana Padano, mesmo submetido a uma tarifa de importação de 28% para entrar no Brasil, era vendido mais barato que seu concorrente brasileiro.

Enquanto o quilo do queijo italiano tipo parmesão custava R$ 99,99, o concorrente brasileiro era oferecido a R$ 129,99 – 30% mais caro. Para Piercristiano, esse é um sinal do choque de competitividade que o segmento de lácteos no Brasil enfrentará com o acordo de livre comércio entre Mercosul e União Europeia.

Pelo acordo, a UE terá uma cota, a ser implementada em dez anos, de 30 mil toneladas para exportar queijos para Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. A tarifa de importação intra-cota partirá do nível atual de 28% e chegará a zero em uma década. A muçarela foi excluída dos queijos que a UE poderá exportar para o Mercosul.

“O segmento de queijo no Brasil teve protecionismo, mas vai precisar melhorar muito a qualidade e ter um sistema eficiente de produção para enfrentar a concorrência que virá”, diz Piercristiano. Ele lembra que o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de leite, mas que a qualidade do produto é considerada baixa. E diz que o país precisará melhorar muito também para aproveitar o acesso ao mercado europeu oferecido pelo acordo. Para o empresário, uma possibilidade para os brasileiros é inicialmente vender leite em pó, desde que adaptado aos padrões internacionais.

Como presidente do Comitê Científico da Federação Internacional do Leite (FIL), sediada em Bruxelas, Piercristiano quer atrair mais participantes do segmento do Brasil, incluindo o governo, para trabalhos conjuntos na melhora de condições higiênico-sanitários, padronização de máquinas, marketing etc. O governo pode também se tornar membro da FIL, se quiser, e participar diretamente da elaboração de normas internacionais para o segmento.

De outro lado, o empresário não esconde o interesse em ter melhores condições para, mais tarde, investir no Brasil. “É o país que tem o maior potencial para produção agrícola no mundo”, diz. Mas insiste que, além de maior eficiência no segmento, espera uma redução do custo Brasil.

A Brazzale produz sobretudo queijo e manteiga, exporta para 65 países e faturou € 205 milhões em 2018. É a única grande indústria de lácteos italiana que construiu fábricas fora da Itália. Produz queijos na Moravia, a mais rica região agrícola do antigo império austro-húngaro, hoje na República Checa, e muçarela e ricota na China. No Brasil, tem a Fazenda Ouro Grande, em Mato Grosso do Sul, que abriga um projeto de sustentabilidade ambiental de criação de gado e produção de carvão vegetal em 3,8 mil hectares – para cada vaca, há 300 árvores de eucalipto. A empresa tem certificação para exportar a carne à Europa. No momento, vende para JBS e Marfrig.

Em termos de custo, o empresário compara o Brasil à Itália. Exemplifica que na República Checa o salário líquido médio de um empregado é de € 1 mil, semelhante ao da Itália. A diferença é que o custo total por empregado para produzir será de € 1,4 mil na República Checa e de € 2,4 mil na Itália. No Leste Europeu, por exemplo, a energia elétrica é 50% mais barata e o gás, 20%.

“O Brasil precisa ter uma estratégia de política pública para melhorar o padrão de seu leite reduzir os custos para concorrer no mercado internacional e atrair investimentos”.

As informações são do jornal Valor Econômico.

Fonte MILKPOINT