Manejo Geral da Seringueira

0
964

1 INTRODUÇÃO

A cultura da seringueira é apropriada para pequenos agricultores, por não ter custos fixos elevados e nem encargos sociais. O cultivo da seringueira é considerado uma atividade leve – uma única pessoa pode cuidar de cinco a dez hectares de seringais – e o trabalho podem ser realizados por toda a família. Além dos aspectos sociais e econômicos, a seringueira pode ser utilizada no reflorestamento, ajudando na conservação do solo e da água e no seqüestro de gás carbônico da atmosfera, amenizando o efeito estufa.

Uma das grandes vantagens do cultivo é sua exploração econômica durante o longo ciclo de vida
da planta, sem a necessidade de desnudamentos periódicos do solo.
SERINGUEIRA – PLANTA

Seringueira é o nome vulgar de uma planta do gêneroHevea, famíliaEuphorbiaceae, que foi introduzida na Bahia por volta de 1906. A sua dispersão natural está circunscrita aos limites da região Amazônica Brasileira, porém mostrando grande adaptabilidade aos mais variados ambientes. A espécie Hevea Brasileira (Wild. Ex. A. Juss.) Muell. Arg é a mais explorada economicamente, por produzir látex de melhor qualidade e com elevado teor de borracha.

Do seu tronco extrai-se o látex que, por coagulação espontânea ou por processos químico- industriais, se transforma no produto comercial denominado de borracha. A matéria-prima borracha é largamente utilizada na produção de bens industrializados, sendo a indústria de pneumáticos a sua maior consumidora.

As grandes áreas de produção comercial concentram-se no sudeste asiático, destacando-se a Malásia, Indonésia e Tailândia como maiores produtores. A produção brasileira, ainda que tenha apresentado acréscimos nos últimos anos, só responde por 18% das suas necessidades, sendo o restante importado de outros centros produtores, com reflexos negativos na nossa balança comercial.

No Brasil, na área tradicional, a heveicultura tem abrangência na Amazônia Tropical Úmida,
Mato Grosso e Bahia. Em áreas não tradicionais, é cultivada nos estados de Goiás, Mato Grosso

do Sul, Pernambuco, Maranhão, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, São Paulo e Minas Gerais. No Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba estão concentradas as maiores plantações do Estado de Minas Gerais, alcançando produtividade de, aproximadamente, 1.500 kg de borracha seca/ha/ano. Do ponto de vista social, a heveicultura é muito importante principalmente, na fixação do homem no campo, pois produz o ano todo.

2.1 Escolha e localização da área

As áreas planas são mais fáceis e econômicas para a implantação e exploração de seringais de cultivo. Em áreas de relevo ondulado, promover o plantio da média encosta para cima, e em curvas de nível. Sempre que possível, locar as linhas de plantio no sentido norte/sul, a fim de receberem intensa insolação e evitar o auto-sombreamento. Em áreas sujeitas a ventos fortes, dispor o plantio no sentido dos ventos dominantes e usar tutores, assim que as plantas começarem a dar sinal de inclinação de seu caule.

2.2 Propagação

A propagação vegetativa, através da enxertia, é o processo convencional para a produção de mudas de seringueira, tanto na Bahia quanto em qualquer outra região produtora. Para a produção de mudas de seringueira, necessário se faz a instalação de infra-estruturas básicas, ou seja: jardins clonais e viveiros. Os viveiros a pleno sol são os mais comuns. As mudas podem também ser preparadas em sacolas plásticas, tubetes ou até mesmo enxertadas no local definitivo de plantio.

As sementes de seringueira apresentam grande variabilidade vegetativa e produtiva, sendo usadas somente para a formação de porta-enxertos em viveiros, e não para plantios a campo. A propagação preferencial é, portanto, por enxertia, utilizando-se clones vigorosos e como potencial produtivo no Paraná, como o PB 235, RRIM 600 e GT 1. O material para plantio consiste de tocos enxertados e parafinados (com indução de raízes), transplantados em sacos plásticos. Ao apresentarem 1 a 2 “verticilos” foliares maduras, as mudas são levadas ao campo.

2.3 Plantio e manejo

O plantio definitivo é feito após o preparo de covas de 40 x 40 x 40 cm, em espaçamento de 8,0 x 2,5 m (500 árvores / ha). O manejo do plantio inclui a desbrota de ramos ladrões do portaenxerto e poda das ramificações laterais da haste do enxerto até a altura desejada de formação de copa. Efetuar duas adubações e até quatro capinas anuais e tratamento fitossanitário, se necessário.

2.4 Calagem e adubação
As áreas potencialmente indicadas para novos plantios são geralmente de solos ácidos e pobres em nutrientes. Assim, recomenda-se a análise prévia do solo para orientar de forma adequada a calagem e a adubação. Em seringais jovens, a mistura NPK deve ser aplicada em círculos crescentes, em função do desenvolvimento da planta, até o terceiro ano. Após este período, a adubação será feita em faixas laterais às plantas. O cronograma de adubação estende-se de outubro a março. Em seringais adultos, a adubação dever ser em função de uma nova análise de solo e, em casos especiais, também de folhas. Nessa fase, a mistura NPK dever ser aplicada, de uma só vez e por planta, no período de hibernação, por ocasião da queda de folhas que
geralmente ocorre ente junho e julho. Após três ou quatro meses, sugere-se uma adubação
complementar nitrogenada.
2.5 Sistemas agroflorestais

Pode ser obtido um melhor uso dos recursos produtivos na área na propriedade rural através da diversificação de cultivos. O aproveitamento do espaço intercalar em um arranjo de linhas duplas de seringueira, no espaçamento 16 x 4,0 x 2,5 m (400 árvores /ha), permite a composição de sistemas agroflorestais com culturas anuais e semi-perenes (arroz, milho, feijão, abacaxi, pupunha, café e fruteiras)

3 DOENÇAS E PRAGAS

3.1 O mal-das-folhas

Doença causada pelo fungo Microcylus ulei, é o principal fator limitante à expansão da heiveicultura no Brasil, notadamente na região Norte do país. O dano maior é a queda prematura de folhas, podendo levar as plantas à morte. É controlada: plantio em “área de escape”; clones resistentes ou tolerantes; enxertia de copa; controle químico-Benlate, Bayleton e cycosin (400g/ha). Em viveiros e jardins cloriais as pulverizações devem ser semanalmente no período chuvoso e quinzenalmente no período seco. No plantio definitivo fazer seis pulverizações durante o período de reenfolhamento.

3.2 Mancha areolada

Cansada pelo fungo Thanatephorus cucumeris. Seu controle pode ser feito com pulverizações
semanais à base de cobre de 0,15% p.a., e com Triadimefon, a 0,3g de p.a./litro.
3.3 Doenças causadas pelo fungoPhytophthora spp

Requeima, queda anormal das folhas, podridão dos frutos, cancro estriado do painel e cancro do tronco. O controle é feito preventivamente, através de práticas culturais pincelamento ou pulverização com fungicidas eficientes nos períodos favoráveis à disseminação do patógeno e à infecção. Recomendam-se: Ridomil-Mancozeb de 0,38% p.a., Aliette (Fozetyl) 0,5% p.a., dentre outros.

3.4 Antracnose causada pelo fungo Colltotrichum gloeosporioides

Manifesta-se em folhas imaturas, ramos, frutos e no painel.

No painel, seu controle é feito com uso do fungicida Daconil 0,25 p.a, cerconil 0,35 p.a. e Benlate 0,20 p.a. Nas plantas, muito atacadas, usar uma pasta, após raspagem dos tecidos lesados: 40 g de Benlate + 200ml de óleo vegetal + 400g cal + 600ml de água + 20g de Agrimicina.

Ao se reiniciar a sangria, aplicá-la a 2cm abaixo da região lesionada com tratamentos
preventivos a cada 7 ou 15 dias conforme as condições climáticas.
3.5 Pragas

A principal praga da seringueira é o mandarová (Erinny ello e E. alope). Seu controle pode ser feito com utilização do DIPEL(Bacillus thuringiensis), que atua sobre as lagartas de maneira geral. Os esporos da bactéria são produzidos em laboratório. Ainda pode ser controlada com piretróides (formulados com óleo) ou catação manual em seringais jovens.

Outras pragas encontradas, de menor importâncias, são as formigas, vaquinhas, mosca branca,
cachonilhas, cupins, paquinhas, coleobrocas, ácaros e percevejos-de-renda.
4 MELHORAMENTO

O melhoramento genético no Brasil é feito, principalmente, no sentido de criação de clones
tolerantes a doenças e que, ao mesmo tempo, apresentem produção satisfatória de látex.

Dentre as espécies deHevea, reconhecidas no Brasil, a H. brasiliensis (mais produtiva, maior variabilidade genética, menor resistência às doenças), H. benthamiana (muito produtiva e possui variabilidade genética para resistência); H. pauciflora (certa imunidade ao M. ulei, podendo ser indicada para enxertia de copa), H. camargoana e H. camporum (porte baixo) são as espécies mais utilizadas no melhoramento genético no país.

A coleta e conservação dos recursos genéticos são importantes como fontes de resistência a
doenças e de maior produção.
4.1 Métodos usados na obtenção de clones

Testes precoces de avaliação da potencialidade de produção:
Teste Cramer ou Testatex
Teste qualitativo, feito em plantas a partir de um ano de idade.
Miniteste de produção ou teste de Mendes ou MTP
Teste quantitativo, feito em plantas a partir de seis meses de idade.
Teste Morris-Mann ou Hammaker-Morris-Mann(HMM)
Teste quantitativo e mais confiável, feito em plantas com circunferência a partir de 21 cm a 1,0
m do solo.
Poliploidização

Leva ao gigantismo de certas partes vegetativas da planta, aumenta o diâmetro dos vasos laticíferos com um conseqüente aumento de produção, aumenta o número de cromossomas. As substâncias utilizadas são a colchicina e DMSO.

SANGRIA

A sangria é iniciada quando pelo menos 50% das árvores (cerca de 200 árvores/ha) atingirem
45cm de circunferência do caule, a 1,30cm acima da soldadura do enxerto.
5.1 Fatores que afetam a produção

Comprimento, direção e profundidade do corte; hora da sangria (o escorrimento do látex é função da diluição e pressão de turgescência); altura da incisão, tipo de corte e sistemas de exportação (freqüência de sangria, estimulação e método de sangria).

5.1.1 Simbologia de painel

B= painel baixo ou descendente; H= painel alto ou ascendente; O= casca virgem; I = casca de 1ª regeneração; II = casca de 2ª regeneração; III = casca de 3ª regeneração; n° de painéis (1,2,3,4 etc).

5.1.2 Estimulação

É a aplicação de substâncias químicas para aumentar o período de escorrimento do látex.
5.1.3 Substâncias estimulantes

ANA; 2,4,5 – T; alguns óleos vegetais; Ácido 2 – cloroetilfosfônico (ETHREL) a 2,5 %, 5,0 % e
10 %, dependendo da idade do seringal.
5.1.4 Tipo de aplicação

Ba – 1 a 2g do produto sobre a casca, prévia e superficialmente raspada;
La – 0,5 a 1g do produto sobre toda a extensão do sulco de corte, sem a retirada do cernambi fita;
Ga – 0,5 a 1g do produto sobre toda a extensão do sulco de corte, com a prévia retirada do
cernambi fita;
Pa – 0,5 a 1g do produto em faixa paralela e acima ao sulco de corte.

5.1.5 Condições para a estimulação

Clones responsivos; sistema de sangria menos intensivo (mínimo de ½ S d/3); fazer adubação de
reposição; Não sangrar em condições ambientais adversas; corte bem feito.
5.1.6 Secamento do painel “Brown bast”

É o cessamento do escorrimento de látex no ato da sangria.
Os sintomas são: trincamento da casca no estágio avançado; secamento parcial ou total dos
painéis; aumento da viscosidade do látex e aparecimento de estrias marrons.
Para prevenir o “Brown bast”, isolar a região seca; fazer os sulcos de divisão dos painéis bem
profundos e deixar descansar por 6 meses.
5.2 Sistemas de sangria

5.2.1 Meia-Espiral

Perímetro do ronco ³ 45 cm a 1,30 m da soldadura do enxerto;
-Perímetro do tronco ³ 50 cm a 1,00 m do solo;
-Inclinação do corte de 30°;
-Simbologia: ½ S.

5.2.2 Espiral Completa

-Perímetro do tronco ³ 70 cm a 1,30 m da soldadura do enxerto;
-Inclinação do corte de 45°;
-Freqüência mínima: d/4;
-Simbologia: S.

5.2.3 Sangria por punctura (SPP)

-Perímetro do tronco ³ 35 cm a 1,30 m da soldadura do enxerto;
-Sangria precoce;
-Precisa ser estimulado mensalmente ETHREL 5% = 2 g/planta.

5.2.4 Sangria ascendente

-Seringal velho com o painel baixo muito usado;
-Painel baixo com recamento.
5.2.5 Sangria mista ou micro-x

-Perímetro do tronco ³ 45 cm a 1,30 m da soldadura do enxerto;
-Fazem-se 12 cortes, sendo 9 cortes por punctura e 3 cortes convencionais.
6 PUBLICAÇÕES

“Pesquisas realizadas sobre o mercado da borracha projetam na virada do século, uma elevação nos preços, em virtude do aumento do consumo e do menor crescimento da oferta, no Brasil e no mundo, o que se constituirá em ótima oportunidade para o incremento da produção nacional.

Neste videocurso, filme e manual, você aprenderá as técnicas do cultivo da seringueira para a produção de borracha natural, mostrando, passo a passo, todas as etapas do processo produtivo desta cultura, começando pelos aspectos gerais da produção, passando pelos tratos culturais e doenças que atacam a seringueira e terminando no processo de sangria, colheita e processamento do látex”.

Disponível em:http://www.cpt.com.br/produtos/016_167.php

A coordenação técnica ficou a cargo do pesquisador da CEPLAC-BA, Adonias de Castro Virgens Filho,engenheiro agrônomo, doutor em fitotecnia, experiente conhecedor do cultivo de seringueira

Conclusão e recomendações

Recomendações técnicas sobre o preparo de mudas enxertadas estão disponíveis e divulgadas em inúmeras publicações. Algumas estão citadas nas referências abaixo, estas deverão ser consultadas para melhor orientação sobre a obtenção, qualidade e utilização adequadas às diversas situações determinadas pelo relevo, características do solo, infra-estrutura do imóvel, disponibilidade de mão-de-obra etc, objetivando sempre a formação de seringais uniformes e estandes completos, a custos mais baixos e com maior retorno econômico.

Não foi possível localizar nenhuma Associação de produtores de Seringueira em Minas Gerais, porém existe uma Associação (segue contato abaixo) localizada no Acre que inclusive emite certificado de qualidade da Seringueira.

Economicamente a literatura consultada aponta a viabilidade do cultivo da seringueira sob
diversos aspectos, conforme descritos nas referências citadas.

Associação Seringueira Porto Dias
Contato:Nívea Jorgia Marcondes
Endereço:Projeto de Assentamento Agroextrativista Porto Dias – Colocação Palhal Acrelândia,

estado do Acre BRAZIL

Tel:+55 68 3223 2727
Fax: +55 68 3223 3260
Email:cta@cta-acre.org

Referências
Cultura da seringueira. Disponível em:http://www.agridata.mg.gov.br/sering.htm#item7.
Acesso em 17/02/2006.
EMBRAPA.Cerrado: pesquisa leva seringueira para o Centro-Oeste. Disponível em:
http://www21.sede.embrapa.br/linhas_de_acao/ecossistemas/cerrado/cerrado_13/mostra_docume
nto. Acesso em 17/02/2006.
INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. O Cultivo da Seringueira (Hevea spp.).
Disponível em:http://www.iapar.br/zip_pdf/cultsering.pdf. Acesso em: 17/02/2006.
Seringueira. Disponível em:http://www.ceplac.gov.br/radar/seringueira.htm. Acesso em
17/02/2006.
Nome do técnico responsável
Nelma Camêlo de Araujo
Nome da Instituição respondente
Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais – CETEC
Fonte: http://www.scribd.com/doc/7418831/seringueira

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here