Aplicações de alguns tipos de borracha

0
111

 A participação de borrachas sintéticas na indústria, que era praticamente inexistente até o início da década de 40, elevou-se rapidamente durante a Segunda Guerra Mundial, atingindo o máximo de 79% do total em 1979, quando passou a declinar sistematicamente até atingir a 62% do total das borrachas convencionais em 1995.

 Algumas aplicações para cada tipo de borracha são apresentadas a seguir:  

Sigla ou nome Aplicações
BR Além da utilização em pneus, o BR vem encontrando um mercado crescente como modificador de resistência ao impacto do poliestireno na produção do High Impact Polystyrene (HIPS) ou PSAI.
EPDM Devido a sua especial resistência ao envelhecimento é aplicado preferencialmente em peças externas de automóveis, como molduras de vedação de janelas e portas de veículos, batentes, frisos e palhetas de limpador de pára-brisas. Aplica-se, também, como modificador do polipropileno nos TPOs (ver item de borrachas termoplásticas).
NBR Devido a sua excelente resistência aos derivados de petróleo, é especialmente recomendada para fabricação de peças e componentes das indústrias automobilística, gráfica, de petróleo e petroquímica que tenham contato com aqueles produtos, tais como mangueiras para óleos e solventes, retentores, gaxetas, juntas, anéis de vedação e revestimento de cilindros de impressão, vasos e tanques industriais. A NBR tem sido utilizada também como aditivo de PVC, para melhorar as propriedades de artefatos que necessitam de resistência a óleo, ozônio, intempéries e abrasão, como coberturas de mangueiras, fios e cabos, solados e botas industriais.
NR A borracha natural não pode ser inteiramente substituída por borrachas sintéticas em pneus, porque aquela possui uma geração de calor mais baixa. Devido a esta característica, a NR precisa ser utilizada em maiores proporções nos pneus de carga, submetidos a maior esforço como os de caminhões e ônibus.
Borrachas especiais Exemplos de aplicações onde estes materiais são requeridos:— isolamento de fios e cabos elétricos submetidos a condições de temperatura extremas: muito baixas em aeronaves e foguetes, e elevadas em fornos elétricos;— fabricação de artigos médicos que precisam ser inócuos e inertes;

— revestimento de máquinas e equipamentos, e peças de vedação – anéis, gaxetas etc. – submetidos a contato com ambientes muito agressivos, assim como:

•oxidantes (peróxidos e ácido crômico);

•ácidos e bases fortes (soda cáustica, ácido sulfúrico); e

thinners para tintas em cilindros de impressão gráfica.

 Informações extraídas do site do BNDES

Fonte: http://www.ced.ufsc.br/emt/trabalhos/borracha/borracha/sintetica_arquivos/aplica2.htm

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here