Análise dos avanços na erradicação da febre aftosa no âmbito do plano hemisférico

0
5
25/07/14 – 09:49
A Febre Aftosa (FA) é uma doença viral, muito contagiosa, de curso agudo que afeta os animais bi ungulados, caracterizada por febre e formação de vesículas, principalmente na cavidade oral, focinho, espaços interdigitais e na banda coronária dos cascos (Casas et al., 1999). Devido ao caráter altamente contagioso da FA e sua rápida disseminação entre regiões, a ocorrência de surtos gera um grande impacto sócio-econômico fazendo com que a imagem dos sistemas de atenção veterinária dos países fique prejudicada no mercado internacional. Os prejuízos econômicos são conseqüências da desvalorização dos produtos de origem animal e o embargo às exportações, devido à alta exigência do mercado em relação à qualidade, rastreabilidade e segurança dos produtos.

A expansão da FA aos países das Américas determinou que a Organização dos Estados Americanos (OEA), decidisse constituir um centro internacional de apoio científico-técnico para o controle desta enfermidade. Por solicitação da OEA, a Organização Pan Americana de Saúde (OPAS) apresentou em 1950 uma proposta para estabelecer o Centro Pan Americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA), aprovado e instituído em 1951 na cidade do Rio de Janeiro no bairro de Duque de Caxias (Casas et al., 1999). A FA é possivelmente a enfermidade do gado que tem maiores repercussões econômicas. Este fenômeno tem motivado a concentração de esforços da OPAS para combater a enfermidade.

Devido à importância da enfermidade no continente americano o Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa – PHEFA foi assinado em 1987 na 5° Reunião Interamericana em Nível Ministerial sobre Saúde e Agricultura, promovida pela OPAS, com participação de PANAFTOSA. O qual dividiu o Continente em projetos sub-regionais, como América do Norte, América Central, Caribe, Região Andina, Região Amazônica e o Cone Sul e desenvolveu para cada região estratégias diferenciadas de controle, erradicação e prevenção, com metas definidas. Tais estratégias e metas foram revisadas em 2005, no Plano de Ação para o Plano Hemisférico de Erradicação da Febre Aftosa das Américas.

Veja o artigo na integra clicando aqui.

Autores: Saraiva, V. & Medeiros, L.

Centro Pan-americano de Febre Aftosa (PANAFTOSA) – OPAS/OMS