“Viagra” para plantas?

A mesma substância química que levou à produção do Viagra pode ajudar a evitar a desidratação de plantas em ambientes muito secos. A ideia veio da descoberta de que o princípio ativo que leva à ereção também atua na abertura e no fechamento dos poros existentes nas folhas das plantas.

A substância em questão é o óxido nítrico (NO). Em 1998, três cientistas americanos ganharam o prêmio Nobel de Medicina, ao mostrar que o corpo usa esse gás para dilatar vasos sanguíneos. O óxido nítrico atua no relaxamento dos músculos dos vasos sanguíneos. Isso interessa aos homens impotentes, porque o pênis só pode ficar ereto quando os vasos sanguíneos presentes nesse órgão relaxam, permitindo que ele fique cheio de sangue. Farmacologistas da Pfizer usaram esse conhecimento para produzir o Viagra, uma droga que fornece ao corpo uma dose extra de óxido nítrico. Essa descoberta mudou a percepção que se tinha sobre o NO, que era visto, apenas, como um dos poluentes responsáveis pela chuva ácida.

O óxido nítrico consiste, simplesmente, de um átomo de nitrogênio ligado a um átomo de oxigênio e é conhecido há mais de 200 anos. Um dos primeiros a isolá-lo foi o químico inglês Sir Humphry Davy (1778-1829), que quase morreu ao tentar respirá-lo, em 1800. É um gás incolor, que pode ser produzido em laboratório pela simples adição de pedaços de cobre metálico a uma solução de ácido nítrico concentrado. O NO produzido é borbulhado em água e coletado em um recipiente. Esse procedimento evita que ele reaja com o oxigênio do ar e forme NO2 (dióxido de nitrogênio, um gás tóxico marrom).

Steve Neill, pesquisador da University of the West of England, descobriu a ligação entre Viagra e plantas ao conduzir experimentos sobre o papel de um hormônio vegetal, chamado ácido abcísico. Sabe-se que o ácido abcísico é ativado nas plantas sob condições de estresse hídrico. Isso parece ajudar as plantas a conservar a água através do fechamento dos estômatos, poros nas folhas, através dos quais a planta libera umidade e realiza trocas gasosas. Mas, o que não estava claro é como o hormônio faz isso.

Neill descobriu que o ácido abcísico age nas células que circundam o estômato, estimulando-as a produzir óxido nítrico. A presença do gás desencadeia o fechamento dos estômatos. O cientista acredita que essa descoberta pode ajudar os melhoristas a desenvolver variedades de plantas resistentes à seca, que sejam capazes de crescer em áreas desérticas. Além disso, os químicos poderão desenvolver sprays que estimulem as plantas já existentes a fechar seus estômatos nos períodos de seca, evitando perda de safras durante a estiagem.

 

Fonte: http://clickeaprenda.uol.com.br/portal/mostrarConteudo.php?idPagina=21226