Pecuária

Viabilidade Econômica da Terminação de Bovinos de Corte em Sistema Intensivo de Pastagem e Confinamento

Fabiano Alvim Barbosa¹, Décio Souza Graça2, Venício José Andrade2, Ivo Martins Cezar3, Daniel Barcelos Ferreira4,
1Professor da Faculdade Agronomia e Medicina Veterinária – UnB – fabianoalvim@unb.br
2Professor da Escola de Veterinária – UFMG
3Professor da Faculdade Anhanguera – Uniderp
4Aluno de graduação em Agronomia da FAV/UnB – Bolsista da FAV/UnB

Resumo: Estudou-se a viabilidade econômica da terminação de bovinos de corte com o uso das tecnologias de confinamento e adubação de pastagens, em uma propriedade em Minas Gerais durante o ano de 2009. O custo total foi de R$ 1.350.041,44 com maior participação para a compra de animais (73,16%). O custo total médio da arroba produzida foi de R$ 89,66 e o preço médio de venda de R$ 90,10/arroba. A receita total acumulada de R$ 1.451.961,63 foi capaz de pagar o custo de oportunidade proporcionando retorno do capital investido (RCI) anual de 0,06%. A atividade obteve lucro operacional total e total de R$ 101.920,19 e R$ 1.916,82, respectivamente. Ao considerar a valorização patrimonial no resultado econômico a atividade obteve RCI de 6,76%.

Palavras–chave: custos, investimentos, rentabilidade

ECONOMIC VIABILITY OF BEEF CATTLE’S FATTENING IN AN INTENSIVE SYSTEM OF PASTURE AND FEEDLOT

Abstract: The economic viability of beef cattle’s fattening using the technologies of feedlot and pasture fertilization, at a property in Minas Gerais, was evaluated in 2009. The total cost in the period was R$ 1.350.041,44 which the animal purchasing was the major component (73,16%). The total mean cost per 15 kg of the carcass in the system was R$ 66,62. The total income, R$ 1.451.961,63, was sufficient to pay capital interests providing profitability and residual remuneration to the owner. The system showed total operational profit and total profit of R$ 101,920.19 and R$ 1,916.82, respectively. Patrimony’s valuation had modified the return on the invested accumulated capital of the business to 6.76%.

Keywords: costs, investments, profitability

Introdução

O aumento da eficiência produtiva é primordial para a lucratividade da pecuária de corte, sendo que, as atividades produtivas devem ser entendidas e manejadas dentro de um enfoque sistêmico, em busca da maximização dos lucros. Os sistemas de produção de gado de corte são complexos e diversificados, não havendo fórmulas e recomendações únicas que possam ser aplicadas por todo o Brasil. Portanto, cada produtor deve desenvolver seu sistema de produção, combinando suas metas às condições ambientais e mercadológicas (Hembry, 1991, citado por Abreu et al., 2003), aliado às capacidades financeiras e aos recursos humanos, com responsabilidade social e ambiental.

É necessário avaliar economicamente o impacto do uso das tecnologias disponíveis para aumentar os índices zootécnicos nas fases de produção de bovinos para que possa ser indicada, técnica e economicamente, as tecnologias. A intensificação está em função do capital disponível de investimento, o risco e a taxa de retorno de cada situação. O uso das tecnologias tem que ser gradativo e coerente com os objetivos de produção, com coletas precisas dos dados para gerar as informações necessárias, buscando o aprendizado mútuo e contínuo de todos no sistema (Barbosa et al., 2006).

O objetivo deste trabalho foi analisar a viabilidade econômica da terminação de bovinos com o uso das tecnologias de confinamento e adubação de pastagens em uma propriedade de criação de bovinos de corte em Minas Gerais, durante o ano de 2009.

Material e Métodos

Os dados foram coletados em uma fazenda localizada na região central do estado de Minas Gerais, no município de Sete Lagoas. A propriedade adota o sistema de engorda de bovinos e sua terminação em pastagens na época das águas e em confinamento, na época da seca, como estratégia para antecipação dos abates. Possui uma área total de 155 hecatres, sendo 108 hectares de pastagens adubadas com divisões de cerca elétrica em sistema de rotação de animais nos piquetes, 19 hectares de cana-de-açúcar, 2 hectares com benfeitorias (curral, confinamento, galpões, casas operacionais) e o restante de área de reserva. Foi utilizado o conceito de estudo de caso, descrito por Yin (1984). Os dados produtivos e econômicos foram coletados mensalmente, de janeiro a dezembro de 2009, através de fichas de controle, lançados e analisados em planilhas eletrônicas (Microsoft Excel).

O cálculo de kg de peso vivo produzido foi feito através de pesagens mensais e anotadas as quantidades de entrada e saída de cada sistema (confinamento e pastagem).

Para cálculo dos Custos Operacionais Totais (COT), Custos Totais (CT) e análise econômica foi utilizada a metodologia descrita por Reis (2002). Nos Custos Operacionais Fixos (COF) foram computados as despesas fixas (energia, telefone, taxas fixas, despesas gerais), a depreciação de pastagens e lavouras, máquinas, equipamentos e instalações, e nos Custos Operacionais Variáveis (COV), a compra de animais, alimentação (volumosa, concentrada e suplementos), mão de obra, combustíveis, medicamentos, vacinas, adubações de pastagens e canavial. As Receitas Totais (RT) foram calculadas considerando o valor de arroba de boi gordo na época da saída do animal para o abate. O custo da arroba produzida foi calculado dividindo-se os COT (menos compra de animais) pela diferença entre a quantidade de arrobas vendidas e adquiridas. Foi calculada a Margem Bruta (MB = RT – COV) e o Lucro Operacional (LO = MB – COF) para comparar o desempenho dos sistemas. Para o cálculo do custo de oportunidade (COp) foi adotada a metodologia de valores decrescentes em que as taxas de juros são maiores para o capital circulante do que para o capital fundiário, e intermediárias para o capital de exploração fixo, sendo que a taxa de juros máxima adotada foi de 6,75 % ao ano (semelhante aos juros para financiamentos agropecuários). O LO menos COp gerou o Lucro Total (LT) ou o resíduo para remunerar o proprietário.

O retorno do capital investido (RCI) foi obtido pela expressão: retorno do capital investido = lucro ÷ capital investido na atividade. O RCI foi avaliado pelo LO e pelo LT (com COp). Ao avaliar o RCI pelo lucro total foram realizadas duas análises: uma considerando a variação patrimonial adicionada como um resultado econômico e a outra análise na qual a variação patrimonial não foi computada ao resultado econômico. O valor patrimonial foi calculado em função do total de bens, a cada ano, multiplicado pelo valor de mercado. A variação patrimonial foi calculada pelo resultado do valor do patrimônio (terras e pastagens, animais de serviço, benfeitorias e máquinas) no ano subseqüente em relação ao ano estudado.

Resultados e Discussão

As taxas médias de lotação foram de 2,27 e 4,35 unidade animal (UA)/hectare(ha) na época das águas e na seca, respectivamente. Foram abatidos, em pastagens, 128 garrotes inteiros com peso médio de 487,5 kg. Foram abatidos em confinamento 643 bois inteiros, com peso médio final de 537,9 kg. Também foram confinadas 111 vacas, com peso médio final de 444,6 kg. O total de kg de peso vivo produzido no sistema foi de 130.200 kg/ano (4.340 arrobas) ou 703,8 kg/ha/ano. O total de kg de peso vivo produzido em pastagens foi de 63.359 kg/ano (2.112 arrobas) ou 546,2 kg/ha/ano. Esse valores de produtividade indicam que o uso das tecnologias proporcionaram aumento da produção (kg de peso vivo) ao comparar com resultados obtidos de sistemas extensivos de bovinos de corte ou da média brasileira que não ultrapassam 180 kg de peso vivo produzido/ha/ano.

O custo total da fazenda durante o período foi de R$ 1.350.041,44, com maior participação para a compra de animais (73,16%), suplementos alimentares (10,52%) e depreciações (2,05%). A natureza do sistema de produção intensivo mostra que a depreciação de máquinas, benfeitorias, pastagens e lavouras representaram 2,05% do custo total, ou seja, um percentual pequeno quando comparado ao sistema extensivo que pode ficar acima de 60% segundo Pereira et al. (2006). O custo total médio da arroba (@) produzida foi de R$ 89,66 ficando abaixo do seu preço médio de venda de R$ 90,10. Barbosa et al. (2008) obtiveram, nesse mesmo sistema durante os anos de 2004 a 2007, o custo total médio de R$ 93,06/@ e o preço médio de venda de R$ 54,28/@. A receita total conseguiu pagar os desembolsos e depreciações obtendo um lucro total de R$ 1.916,82, demonstrando que a atividade conseguiu pagar os custos operacionais e o custo de oportunidade (Tab. 1). O retorno do capital investido (RCI) total foi de 0,06%, entretanto, ao considerar a valorização patrimonial como um resultado econômico o RCI total passou a ser 6,76% (Tab. 1). Esses resultados indicam que o modelo da intensificação do sistema de engorda adotado, durante o ano de 2009, foi capaz de remunerar totalmente o capital investido obtendo RCI positivo. Ao considerar a valorização patrimonial a atividade passa a ter RCI mais elevado, no entanto, com rendimentos inferiores comparadas às taxas de poupança. Barbosa et al. (2008) relataram, nesse mesmo sistema, um prejuízo anual médio de R$ 33.257,97 e um RCI negativo de 3,44% ao ano. Ao comparar o ano de 2009 desse trabalho com os resultados médios de Barbosa et al. (2008) ocorreu uma redução do custo médio da arroba produzida com aumento do preço de venda da arroba, levando a atividade a obter lucro total. .

Conclusões

A intensificação da engorda de bovinos usando pastagens adubadas e confinamento, em Minas Gerais, obteve lucro total, conseqüentemente, o retorno do capital investido foi positivo.
Ao considerar a valorização patrimonial no resultado econômico o retorno do capital investido foi mais elevado, mas foi menor do que a taxa anual de poupança.

Referências Bibliográficas

ABREU, U.G.P; CEZAR, I.M.; TORRES, R.A. Análise bioeconômica da introdução de período de monta em sistemas de produção de rebanhos de cria na região do Brasil Central. Revista Brasileira de Zootecnia, v.32, n.5, p.1198-1206, 2003.
BARBOSA, F.A.; GRAÇA, D.S.; ANDRADE, V.J. et al. Viabilidade econômica da terminação de bovinos de corte em sistema intensivo de pastagem e confinamento, In: REUNIAO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 45, Lavras, Anais … Lavras: SBZ,2008, CD-ROM.
BARBOSA, F.A.; SOUZA, R.C.; GRAÇA, D.S. Planejamento e gestão na bovinocultura de corte. In:  SIMPÓSIO NACIONAL SOBRE PRODUÇÃO E GERENCIAMENTO DA PECUÁRIA DE CORTE, 4, Belo Horizonte, Anais … Belo Horizonte: Escola de Veterinária, 2006, CD-ROM.
PEREIRA, M.A.; COSTA, F.P.; MELO FILHO, G.A. et al. Custo de produção de gado de corte em Goiânia, Estado de Goiás. In: REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ZOOTECNIA, 43, João Pessoa, Anais … João Pessoa: SBZ, 2006, CD-ROM.
REIS, R.P. Fundamentos de economia aplicada. Lavras: UFLA/FAEPE, 2002.
YIN, R. Case study research: design and methods. Newbury Park, CA: Sage.1984.

Tabela 1. Análise econômica da engorda intensiva de bovinos em propriedade na região central de Minas Gerais.

2009
Custo operacional variável – R$ 1.312.593,54
Custo operacional fixo – R$ 37.447,90
Custo operacional total – R$ 1.350.041,44
Receita total – R$ 1.451.961,63
Margem bruta – R$ 139.368,09
Lucro operacional (LOp1 ) – R$ 101.920,19
Patrimônio – R$ 1.734.742,00
Retorno do capital sobre LOp – % 3,34
Custo de oportunidade – R$ 100.003,37
Custo total – R$ 1.450.044,81
Variação Patrimonial (VP) – R$ 204.705,82
Lucro total (LT) – R$ 1.916,82
Retorno  do capital sobre  LT sem VP – % 0,06
Retorno do capital sobre LT com VP – % 6,76

Fonte: http://www.agronomia.com.br/conteudo/artigos/artigos_economico_intensivo_zootec.html