Suinos

Vacinação reduz os prejuízos com a necrose de orelha em suínos

A síndrome da necrose de orelha (SNO) em suínos é caracterizada por uma lesão necrótica na ponta e/ou ao longo da borda inferior da orelha, frequentemente bilateral, e às vezes com perda de parte do tecido auricular (CAMERON, 2006). Essa doença é vista geralmente nos animais jovens na frase de criação. Em muitos casos há uma cura espontânea, porém quando essa cura não ocorre e a lesão progride, pode ocorrer uma perda parcial do pavilhão auricular. Nesses episódios é comum a presença de abcessos em linfonodos parotídeos, determinado prejuízos no crescimento e no abate, já que os abcessos podem condenar a carcaça.

Uma série de fatores podem estar relacionados ao aparecimento da SNO. As lesões de pele provenientes de brigas e a imunossupressão são considerados os mais importantes. De acordo com estudos a campo e dados epidemiológicos, as causas de SNO podem estar associadas a: infecção por Staphylococcus hycius e/ou Streptococcus beta hemolíticos, eperitrozoonose, bactérias espiroquetas, intoxicação por ergot e circovirose.

O fato é que alguns rebanhos suínos são afetados por surtos com alta prevalência da SNO. Ao estudar as causas, muitos autores chegam à conclusão que a interação dos fatores predisponentes é a hipótese mais provável para explicar o aparecimento das lesões. Pensando assim, a maneira mais eficaz de prevenir novos surtos seria evitar esses fatores predisponentes.

Segundo recente artigo publicado no VI SINSUI – Simpósio Internacional de Suinocultura, escrito pelo Dr. Nelson Morés, um renomado pesquisador da EMBRAPA Suínos e Aves, a circovirose está relacionada com o aparecimento da necrose de orelha em suínos. Morés cita um trabalho de Zlotowski et al.(2008) que mostra que as lesões geralmente bilaterais e avermelhadas, são decorrentes de uma vasculite generalizada causada por uma reação de hipersensibilidade imuno-mediada que começa na extremidade da orelha e estende-se ventralmente. Estas lesões tendem a ocorrer com sinais clínicos de lesões sistêmicas da Síndrome Multissistêmica do Definhamento dos suínos (SMDS) associadas à Circovirose.

Nesse mesmo artigo, Nelson Morés citou o trabalho de Pejsak et al. (2010), realizado em uma granja ciclo completo, com 1800 matrizes e uma taxa de ocorrência da SMDS de cerca de 10% no setor de creche. Os sinais da necrose de orelha iniciavam-se cerca de três semanas após o desmame e afetavam aproximadamente 15% dos leitões. Nesse rebanho foi realizado um estudo com o uso de uma vacina indicada para porcas, envolvendo 12.931 leitões, em 45 lotes, num esquema de porcas vacinadas e não vacinadas. Os sinais da necrose de orelha foram duas vezes menores nos leitões filhos de porcas vacinadas em comparação com aqueles filhos de porcas não vacinadas. Houve também diferença na intensidade das lesões, que foram três vezes menores nos filhos de porcas vacinadas. A eficiência do controle, tomando como base uma redução mínima de 50% da lesão em leitões provenientes de mães vacinadas , representa que numa granja de 1000 matrizes, ao menos 1800 leitões se desenvolveriam sem esse transtorno específico, ou sejam, animais com maior higidez de pele e menos afeito a infecções cutâneas secundárias, canibalismo, peso reduzido etc.

Uma explicação para esta proteção para a SNO conferida pela vacina contra o vírus da Circovirose vem do colostro das mães vacinadas. A imunidade conferida pela vacina passa para a leitegada através do colostro. Segundo outro trabalho citado no artigo, o colostro de porcas imunizadas contra PCV2 contém linfócitos B e T, e células capazes de produzir interferon, uma proteína fundamental para a eficácia do sistema imune contra o vírus nos filhotes. Esses leucócitos têm a capacidade de atravessar a barreira intestinal dos leitões, formando proteção ativa contra circovirose e auxiliando na capacitação do sistema imune como um todo, o que se reflete na maneira como o animal lida também com outras doenças. Já foi observado inclusive, o efeito profilático em outras doenças multifatoriais causadas por patógenos oportunistas ou associadas à imunodeficiência (OPRIESSNIG, et al., 2008).

Por fim, para reduzir a prevalência da necrose de orelha em granjas, é necessária a observação de medidas de controle como: evitar a superlotação para diminuir as brigas entre os leitões, implementar um programa intensivo de limpeza e desinfecção da maternidade, creche e crescimento e adotar esquemas de vacinação a fim de evitar a ocorrência de doenças que enfraqueçam o sistema imunológico dos animais. E como vimos no artigo, evitar principalmente a circovirose, através da vacinação, procedimento que, na avaliação citada, mostrou eficácia ao reduzir a prevalência da necrose de orelha em leitões.

Circovac® é uma vacina que quando aplicada dentro de protocolos científicos confere uma redução em mortalidade total na ordem de no mínimo 50%. Evidentemente, essa taxa de melhora é esperada sobre outras condições como refugagem, mal desenvolvimento, etc. Essa melhora é constatada também através da vacinação dos leitões.

Referências

  • CAMERON, R.D.A. Diseases of the skin. In Diseases of Swine. 9th ed. Eds B.E. STRAW., J. ZIMMERMAN., S.D’ALLAIRE. & D.J. TAYLOR. Blackwell Publishing, Ames, IA, 2006. P. 179-98.
  • MORES, N. Necrose de orelha em suínos, uma visão crítica do problema. In: VI SINSUI – Simpósio Internacional de Suinocultura, 2011, Porto Alegre. Anais… Porto Alegre, 2011. p. 199 – 205.
  • OPRIESSNIG, et al. Effect of porcine circovirus type 2 (PCV2) vaccination on porcine reproductive and respiratory syndrome virus and PCV2 coinfection. 2008 Veterinary Microbiology. 18, 103-114.
  • PEJSAK, Z et al. Ear necrosis reduction in pigs after vaccination against PCV2. Research Veterinary Science. doi:10.1016/j.rvsc.2010.08.015 (In press)
  • ZLOTOWSKI, P.; CORREA, A.M.R.; BARCELLOS, D.E.S.N; DRIEMEIER, D. Presence of pcv2 in ear lesions in the course of PCVAD in growing pigs. Proceedings of the 20st International Pig Veterinary Society Congress. Durban, South Africa,. 2008. Poster Proceedings, v.2, p. 555.

 

Fonte: http://br.merial.com/suinos/infosuinos/2011/setembro/ponta_lapis/ponta_lapis.asp