Rações

Uso de enzimas é alternativa para reduzir custos de produção da avicultura brasileira

26/09/2016

Solução favorece digestão do alimento pelas aves. Aplicação de forma criteriosa contribui para rentabilidade da granja e o bem estar dos animais

Neste ano, a avicultura sofreu com a elevação nos custos de produção devido à escassez no abastecimento de milho ocasionado pelo aumento nas exportações e a falta de estoques, além da quebra na safra 2015/2016. Como estratégia para equilibrar as contas, a utilização de enzimas tem se apresentado como uma ferramenta eficaz. De acordo com especialistas do setor, a economia nos gastos com dieta dos animais a partir do uso dessa solução pode representar uma redução de R$ 30 a R$ 60 por tonelada. Considerando que a produção mensal nacional de ração para o setor avícola é de 40 milhões de toneladas, em uma comparação com o valor de investimento por tonelada, seria de até R$ 130 milhões de reais por mês, representando 5% de economia direta para a indústria. A estimativa foi apresentada durante o Workshop de Eficiência Alimentar para Aves, organizado pela Alltech, referência em nutrição e saúde animal, que reuniu as principais empresas e cooperativas da região de Cascavel (PR) e do Norte do Paraná para debater o assunto.

A eficiência na utilização das enzimas na formulação das dietas está diretamente relacionada ao favorecimento do sistema digestivo das aves, contribuindo para a melhora da conversão alimentar, e por consequência, da rentabilidade da granja. “Neste momento em que o preço das matérias-primas está em alta, o ganho é ainda mais significativo, pois as enzimas possibilitam a redução na utilização de milho e soja na dieta. O resultado é muito positivo e, por isso, organizamos o debate com objetivo de orientar as empresas do setor. É importante ressaltar que, se as enzimas não forem administradas de acordo com o substrato específico da dieta dos animais, acaba sendo um investimento sem o retorno esperado”, destaca o gerente da equipe de Aves da Alltech do Brasil, Felipe Fagundes.

De acordo com a apresentação do consultor na área avícola, Marcus Vinicius de O. R. Sousa,  “a planta não nasceu para ser consumida pelos animais e, sim, para gerar sementes e fazer novas gerações”. Por isso, é necessário adaptar a formulação das dietas para que o grão possa ser mais bem aproveitado pelo animal, sendo as enzimas uma ferramenta importante para auxiliar o processo digestivo. Segundo o consultor, as empresas precisam conhecer a sua realidade para adaptar o manejo, pois nem sempre a solução com a comercialização em destaque ou mais conhecidas no mercado são as ideais para as dietas. “Em alguns casos ocorre a tentativa de adaptar uma solução utilizada na Europa, por exemplo, porém temos outra realidade aqui no Brasil e o retorno não é o mesmo”, explica Fagundes.

No campo, as enzimas têm auxiliado ainda no equilíbrio da qualidade da alimentação das aves, pois em decorrência da situação dos insumos pode ocorrer algumas perdas nutricionais. “Com a dificuldade no abastecimento da produção, muitas empresas realizaram a secagem do cereal muito rapidamente, o que gerou um fenômeno conhecido como amido resistente, que dificulta ainda mais a digestão das aves, prejudicando, assim, o desenvolvimento dos animais”, apontou o gerente da Alltech.

Fonte: Agrolink