Produtivo

Uso correto do zinco eleva produtividade da cana em 17%

Na média, aplicação de micronutrientes no plantio aumenta produção das soqueiras em 10%

Juliana Royo
12/08/2010

Os macronutrientes são consumidos em maior quantidade pelas plantas e, por isso, têm sua grande importância reconhecida. No entanto, os micronutrientes, que são absorvidos em menores doses, são fundamentais para o bom desenvolvimento das culturas e podem influenciar expressivamente a produção. Pesquisas com os micronutrientes da cana-de-açúcar mostram que, em média, eles podem elevar a produtividade em 10%, se forem bem aplicados. O zinco, por exemplo, pode aumentar a produção em 17%.

Entre os temas do IV Seminário Ambicana, que acontece dia 18 de agosto, no Instituto Agronômico de Campinas, no Estado de São Paulo, será discutida a importância dos micronutrientes para a cana-de-açúcar. O engenheiro agrônomo e doutor em solos e nutrição de plantas Estevão Vicari Mellis, pesquisador do Centro de Solos e Recursos Agroambientais do IAC, vai falar sobre os recentes resultados de pesquisa sobre o assunto, as dificuldades encontradas até agora e vai ensinar os produtores a identificarem a deficiência dos elementos na plantação de cana.

— Os principais micronutrientes da cana-de-açúcar são o boro, cobre, manganês, zinco e molibdênio. Instalamos em 2006, 15 experimentos espalhados pelo Estado de SP em diferentes regiões produtoras de cana com baixa fertilidade do solo, em que a deficiência de micronutrientes seria mais evidente e pelos resultados que temos até então verificamos que a aplicação dos micronutrienes pode aumentar significativamente a produtividade da cana. Obtivemos um aumento de cerca de 17% a mais na produção de cana com a aplicação de zinco. A aplicação de micronutrientes no plantio da cana tem refletido também nas soqueiras com aumento em média de 10% na produção da cana — anuncia Mellis.

Segundo o especialista, os estudos sobre os micronutrientes da cana-de-açúcar são recentes, cerca de 5 anos, porque antes não de dava o devido valor a este segmento da nutrição da cultura. Por causa dos poucos experimentos e poucas informações científicas históricas, os pesquisadores ainda estão tentando descobrir exatamente a quantidade ideal de cada micronutriente que deve ser aplicada à cana para começar a fazer a recomendação aos produtores e obter resultados ainda mais positivos em campo. Enquanto estes números ainda não forem precisamente divulgados, a recomendação aos agricultores é que seja feito o monitoramento constante da necessidade das lavouras através das análises de solo e foliar porque só desta forma é possível saber qual é a demanda da planta por micronutrientes.

— Os estudos com micronutrientes na cana ainda são escassos, e pelos resultados em áreas de expansão e baixa fertilidade do solo, com solos arenosos, a utilização destes elementos na adubação é algo que pode elevar consideravelmente a produção de cana no Brasil aumentando a eficiência por área e diminuindo a necessidade de expansão em novas áreas, o que tornará a produção de cana ainda mais sustentável no país — ressalta.

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Portal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.

Fonte: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=22419&secao=Pacotes%20Tecnol%F3gicos&c2=Cana-de-a%E7%FAcar