Curiosidades

Unesp cria aguardente de bagaço de laranja e resíduos de cerveja

10/09/13
por Joana Cavinatto

Uma das preocupações hoje é a sustentabilidade das produções agrícola e industrial. O destino de resíduos é um dos pontos mais discutidos e preocupantes, e a cidade de Araraquara (SP) encontrou uma solução criativa e saborosa.

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) criaram uma aguardente feita de bagaço da laranja, fruta presente em grande parte das lavouras do município, e também da levedura que sobra das indústrias de cerveja.

Em entrevista à revista Unesp Ciência, o professor João Bosco Faria, coordenador da iniciativa, disse que muitos profissionais da indústria de suco de laranja e de cerveja estavam interessados em fazer pós-graduação. Com base na provocação “o que vocês jogam fora?” que o professor questionava aos alunos, a ideia surgiu e foi se desenvolvendo.

As pesquisas duraram dez anos, e mostraram que há uma melhora contínua da bebida envelhecida por até sete anos. Depois desse período, o produto começa a adquirir um aspecto excessivamente amadeirado.  Segundo Faria, o melhor período de envelhecimento para uma aguardente saborosa e economicamente viável é entre dois e três anos.

Como é feita
Na indústria de sucos, os resíduos da laranja são descartados ou usados em ração para gado. Na aguardente criada, a principal matéria prima é o licor proveniente deste bagaço da laranja, que substitui a cana-de-açúcar. Um dos benefícios é que pela sazonalidade da cana-de-açúcar, a cachaça só pode ser feita a cada seis meses do ano, enquanto o bagaço da laranja pode ser armazenado, dispondo estabilidade de produção.

As leveduras, outro ingrediente importante, vêm dos resíduos da fermentação das indústrias de cerveja. Antes da pesquisa, elas eram doadas para pequenos agricultores usarem como adubo. Para tanto, a indústria deveria baixar a população viva de leveduras de 80% para 15%, de forma que não surgisse um crescimento descontrolado no solo. Com o uso na aguardente, a indústria cervejeira pula esse passo, reduzindo seus gastos.

 

Fonte: Agrolink