Trigo

Trigo é o segundo cereal mais produzido no mundo

10/11/2016

Um dos cereais mais antigos e cultivados no mundo, o trigo ocupa seu espaço entre os produtores rurais brasileiros principalmente no Paraná e Rio Grande do Sul, mas também está sendo adaptado para as regiões de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Caracterizado como uma cultura de inverno, o trigo tem seu dia comemorado nesta quinta-feira, 10 de novembro.

No Brasil, a produção do cereal na última safra foi de 5,5 milhões de toneladas distribuídas entre os estados da seguinte forma: Paraná, com 3,6 milhões; Rio Grande do Sul, com 1,5 milhão; São Paulo, com 263 mil; Minas Gerais com 245 mil e Santa Catarina com 117 mil.

De acordo com os registros históricos, o trigo já era produzido, em grande escala, há cerca de 10.000 a.C, em uma região conhecida como Crescente Fértil, que hoje ligaria o Egito ao Iraque.

Dentre os principais cereais atualmente produzidos no mundo (atrás apenas do milho), o trigo é o que menos necessita de água. Zonas de clima temperado, com presença de chuvas moderadas e umidade abaixo de 75%, são favoráveis para o plantio.

Na culinária mundial, a farinha de trigo é um dos ingredientes mais utilizados e sua qualidade está diretamente relacionada a uma série de fatores como a sanidade dos grãos, o estado de conservação da matéria prima e até o tipo do cereal.

Comissão – A Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA atua para aumentar a oferta do produto no Brasil, considerando que a demanda interna está em torno de 10,7 milhões de toneladas.

A Comissão propõe uma política específica para a cadeia do trigo, já que a produção é insuficiente para suprir o mercado interno.

Para o presidente da Comissão, Almir Dalpasquale, o governo brasileiro precisa reconhecer a necessidade de investir mais no desenvolvimento desta cadeia.

“Infelizmente temos poucas políticas públicas voltadas ao seu cultivo do trigo. É muito importante que o governo brasileiro olhe isso com melhores olhos, pois é um cereal de grande importância na mesa dos brasileiros”, afirmou.

Fonte: CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil