Trigo

Trigo é bem-vindo no cerrado

O trigo nos cerrados é hoje uma realidade. O clima e solo do Brasil Central eram apontados como inimigos da introdução da triticultura nesta região. A pesquisa tem mostrado que se pode cultivar o trigo e que ele é rentável. Em Vianópolis, Macel Caixeta plantou trigo e obteve índices de produtividade superiores aos encontrados nos Estados Unidos e Canadá. Os custos operacionais têm sido um problema, segundo os produtores do Estado, além dos preços oferecidos pelos moinhos.

 

A Embrapa Cerrados, com sede em Planaltina, realizou, em parceria com a Embrapa Trigo, Emater -DF e COOPA- DF, no último dia 17, o Dia de Campo de Trigo Irrigado. O evento, organizado anualmente para apresentar as novidades da pesquisa aos produtores do Centro-Oeste e orientá-los sobre o manejo das lavouras de trigo, aconteceu na Fazenda Triacca, Módulo D-3 do Plano de Assentamento Dirigido do DF.

 

Os organizadores reuniram trezentos participantes. As estações apresentaram as cultivares de trigo BRS 254 e BRS 264, controle das doenças do trigo, potencial produtivo da cultura, e competitividade do trigo. Os produtores tiraram dúvidas com os pesquisadores Júlio César Albrecht (Embrapa Cerrados), Márcio Silva e João Leodato, da Embrapa Trigo. Cláudio Malinski, da COOPADF, também passou informações sobre os benefícios das novas opções de trigo para plantio no Cerrado do Brasil Central. A equipe da Emater

 DF foi responsável pela apresentação sobre competitividade e colheita.

 

O pesquisador Júlio Albrecht comentou que o Dia de Campo foi uma oportunidade para discutir com os produtores sobre o controle da brusone e das manchas foliares, principais doenças do trigo. A equipe técnica do evento também apresentou as tecnologias para o manejo das novas cultivares de trigo irrigado. A BRS 254 e BRS 264 foram lançadas em 2006 e já são utilizadas por triticultores das Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Bahia e Mato Grosso.

 

A BRS 254, proveniente do cruzamento da Embrapa 22 com a cultivar Anahuac, possui alta força de glúten e alta estabilidade, características que os moinhos exigem para a panificação, e um potencial de produtividade de seis toneladas por hectare.

 

Produção será recorde na região

 

A BRS 264, originada do cruzamento das cultivares Buckbuck, Chiroca e Tui, é um material com potencial de produtividade de 7 toneladas por hectare, boa qualidade industrial e precoce.

 

O ciclo da emergência à maturação da BRS 264 chega a ser de quinze dias menor comparado com outras variedades cultivadas pelos triticultores da região do Brasil Central.

 

Albrecht salienta que “a excelente qualidade industrial” das cultivares foi comprovada pelos moinhos. Albrecht estima que a BRS 254 e a BRS 264 serão as cultivares mais plantadas já no próximo ano. A área cultivada de trigo no Cerrado das Minas Gerais, Goiás, Distrito Federal, Bahia e Mato Grosso aumentou, em 2008, 25% em relação à safra passada.

 

Os triticultores conseguiram, na época do plantio, firmar contratos com os moinhos para comercializar a saca de trigo por R$42,00, valor bem acima dos R$32,40 estipulados pelo Ministério da Agricultura como o preço mínimo para o trigo da região Centro-Oeste.

 

Os valores pagos pela saca de sessenta quilos e a comercialização garantida foram incentivos para este aumento na área plantada de trigo no Cerrado “, comenta Albrecht”.

 

O trigo irrigado, nesta safra, ocupa em torno de 60 mil hectares de Cerrado do Brasil Central, o que vai possibilitar uma produção recorde na região.

 

Em 2008, as condições c l imát i cas durante o ciclo da cultura favoreceram a qualidade dos grãos e as produtividades das lavouras. O produtor Neri Colpo, da Fazenda São Miguel, em Cabeceiras (GO), está colhendo, em média, 107 sacos por hectare da BRS 254. Silvio Ribas, da Fazenda Sossego, triticultor do município de São João da Aliança (GO), conseguiu bater recorde nacional de produtividade de trigo com a marca de 126,8 sacos por hectare da nova cultivar BRS 264, com um ciclo total da cultura de 113 dias.

 

Novas cultivares para plantio

 

As produtividades elevadas obtidas pelos produtores dos municípios goianos, muito acima da média de 5,0 toneladas por hectare da região, também servem de incentivo para que outros triticultores passem a plantar as novas cultivares.

 

Os dados nacionais mostram o avanço do trigo no Brasil como um todo. A estimativa para a safra deste ano é colher 5,5 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 42% em relação a 2007. O Brasil consome, por ano, 10,5 milhões de toneladas de trigo.

 

O Dia de Campo de trigo irrigado contou com o patrocínio do Moinho Buriti e da Syngenta.

Fonte: http://www.jornalclique.com.br/spip/spip.php?article1044