Trigo de Qualidade

27/10/2014

Safra de trigo na área de atuação da cooperativa Integrada confirma a excelente qualidade do cereal produzido no Paraná. Mesmo com boas colheitas, setor produtivo reivindica política agrícola mais consistente para o cereal.
 
De acordo com o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab), os paranaenses deverão encerrar a safra com uma produção de 4 milhões de toneladas, um aumento de 112% em relação ao ano passado, quando as geadas trouxeram grandes quedas de rendimento das lavouras. Esse número também é reflexo do aumento da área cultivada com o cereal, que este ano cresceu 35%, e atingiu 1,3 milhão de hectares. Com o resultado, o Paraná retoma a liderança de maior estado produtor de trigo no Brasil, à frente do Rio Grande do Sul.
 
A safra de trigo brasileira deverá ser próxima de 7,8 milhões de toneladas. Mesmo com o aumento na produção, o volume é insuficiente para abastecer a demanda do mercado interno brasileiro, que hoje é de mais de 11 milhões de toneladas.
 
Se no lado de dentro da porteira os triticultores têm sido cada vez mais eficientes, do lado de fora a situação é oposta. A principal queixa do setor produtivo é a falta de uma política pública que priorize o trigo nacional, garantindo mais liquidez e preço mínimo. Como ocorrido em anos anteriores, às vésperas da colheita da safra nacional, o governo abriu o mercado para a entrada de trigo importado. Com estoques altos e moinhos abastecidos, o preço foi puxado para baixo.
 
Qualidade em alta
 
A Cooperativa Integrada deverá receber nesta safra 270 mil toneladas de trigo, principalmente na região norte do Paraná, onde se concentram as lavouras do cereal. Com investimento em tecnologia e clima na medida certa, a safra mostrou o potencial dos triticultores para produção do cereal com excelente qualidade. “O Brasil tem carência da produção de trigo panificável. É esse trigo que vem em grande volume do exterior para atender o mercado brasileiro. Por isso, estamos focados na produção do trigo hard, de qualidade superior, para atender esse mercado exigente”, destaca João Bosco Azevedo.
Fonte: Integrada