Soja

Trégua da chuva favorece desenvolvimento do milho e da soja em Guarapuava (PR)

28/01/2014

Com precipitações constantes desde o dia 1º, as primeiras três semanas de janeiro acumularam 208,8 mm de chuva. O volume é maior do que a média histórica para todo o mês: 196,4 mm. No distrito de Entre Rios, o atual período chuvoso se estendia há 25 dias. De 26 de dezembro até o último dia 19 não houve precipitações registradas somente nos dias 7, 10 e 19 de janeiro. Os dados são da estação meteorológica da Fapa (Fundação Agrária dePesquisa Agropecuária)/Simepar.

Com o tempo mais estável desde o terceiro final de semana de janeiro, os agricultores retomam as aplicações em milho, dificultadas nos dias chuvosos, explicou o coordenador da assistência técnica da Agrária, Leandro Bren. A soja, que necessita de maiores períodos de luminosidade na atual fase de desenvolvimento, igualmente se favorece com os dias mais secos.

As chuvas desta safra têm ocorrido de forma regular, alternadas com dias secos que permitem manter os tratos culturais.

Curiosamente, o quadro de precipitações constantes é o oposto do apresentado em janeiro de 2013, quando choveu somente 137 mm – bem abaixo da média histórica, portanto. Mesmo caso de dezembro passado, quando o registro não passou de 173 mm (a média do período é de 193,5 mm). Vale lembrar que o ano de 2013 foi o oitavo mais chuvoso da série histórica da Fapa/Simepar (iniciada em 1976): 2.299 mm – graças, especialmente, ao volume recorde de 498,2 mm, registrado no mês de junho passado.

Nos últimos dez anos, houve índices pluviométricos acima da média para janeiro em 2007 (210 mm), 2010 (311 mm) e 2011 (256 mm). Segundo o Simepar, o volume deste mês ainda deverá ser incrementado. Desde a última quarta-feira o município tem registrado chuvas rápidas.

Fonte: Diário de Guarapuava