Reprodutivo

Superagro 2011 debate medidas para alavancar a produção e consumo dos produtos apícolas

Apesar de possuir a melhor qualidade de abelha e a maior biodiversidade de espécies, o consumo e a produção de mel e de própolis no Brasil ainda são pouco expressivos

Assessoria de Imprensa Superagro Minas 2011

Cada brasileiro consome, aproximadamente, 130 gramas de mel por ano. Já a média internacional é de cerca de dois quilos por pessoa. Esses atributos naturais também não ajudaram a alavancar a produção nacional, hoje em 6° lugar no ranking mundial. Para reverter esse quadro, especialistas apontam medidas como tratar o manejo para a alta produtividade, boas práticas de fabricação do produto, necessidade de se organizar e incremento de políticas públicas para o setor. Esses assuntos estarão em evidência durante o 7° Seminário Conap e Sebrae, que faz parte do Ciclo de Palestras Sebrae-MG, na programação da Superagro 2011.

O Sebrae-MG também terá uma ação específica para as crianças que visitarem a minifazenda na Superagro 2011. Elas vão conhecer a campanha “Meu dia pede mel” que terá, inclusive, um livro de receitas tendo o mel como um dos ingredientes, a ser distribuído para os visitantes.  No estande da entidade elas poderão conhecer uma colméia e os equipamentos necessários para a coleta do mel. Haverá também oficinas de desenho sobre estes dois temas, acompanhadas de monitores.

Desafios – De acordo com o presidente da Cooperativa Nacional de Apicultura (Conap), Irone Sampaio, o fato de possuirmos as condições mais favoráveis para a apicultura fez com que o produtor ficasse mais acomodado. “A necessidade de esforço sendo menor, de certa forma, o produtor fica menos obrigado a investir em melhorias e isso afeta sua produtividade,” observa.  Ele comenta que países como a Argentina, 2° lugar no ranking mundial, onde as condições naturais e a qualidade de produção são bastante inferiores, o esforço e as condições de  infraestrutura acabam sendo maiores e isso gera resultados positivos.  Daí a necessidade dos produtores se organizarem e o do incentivo para que sejam adotadas medidas para otimizar a produção.

Ainda segundo Sampaio, outro aspecto que merece ser melhor explorado é o fato do mel ser um alimento e que seu consumo traz inúmeros benefícios à saúde. “O mel é um alimento que fica na fronteira para ser considerado um medicamento”, ressalta. Além do mel, o própolis também traz características importantes na alimentação e prevenção de alguns males. Em regiões onde existe a erva conhecida como Alecrim do Campo, a abelha retira uma seiva que tem um princípio ativo que ajuda na prevenção do câncer. “A população tem que conhecer melhor a importância de se consumir esses produtos preventivamente e não apenas quando aparece uma gripe ou problemas na garganta,” ressalta.

O Brasil produz cerca 45 mil toneladas de mel anualmente. Desse total Minas contribui com volume que varia entre 4 mil e 5 mil  toneladas, respondendo por aproximadamente 10% da produção nacional. Já com o própolis, o estado mineiro ocupa o primeiro lugar no ranking da produção brasileira, chegando a 19,6 toneladas por ano. A produção de todo o país é de 28 toneladas, o que deixa Minas com 70% do mercado nacional. “É possível triplicar a produção apenas com o que temos atualmente, sem necessidade de aumentar o número de produtores, apenas melhorando o manejo e as boas práticas,” acredita.

Apesar do preço no mercado externo ter melhorado bastante – antes o quilo do mel in natura era comercializado a US$ 1,5 dólar e atualmente está em US$ 2,5 dólares – ainda  assim o preço não é competitivo. Para Sampaio, fundamental é investir no mercado interno. “Mesmo com a melhora nos preços a desvalorização do dólar perante o real deixa o mercado nacional mais interessante”, avalia. Ele também aposta que medidas para orientação do produtor e a conscientização da população sobre os benefícios dos produtos apícolas pode “favorecer consideravelmente o mercado interno”.

Superagro – Além do Ciclo de Palestras do Sebrae-MG e o Ciclo de Aulas Técnicas, a Superagro Minas 2011 também terá a tradicional Exposição Agropecuária, na sua 51ª edição; 15ª Feira e Festival Internacional da Cachaça (Expocachaça); Feira da Agricultura Familiar; As novidades desta edição são o Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal; Palestras, produtos e tecnologias da feira Expovet Feira da Pesca, Aquicultura, Náutica e Turismo e o 16° Encontro Nacional de Educação Sanitária e Comunicação.

A feira é uma promoção do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), junto com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) e Sebrae-MG.

Mais informações:
www.superagro2011.com.br

Fonte:http://www.portaldoagronegocio.com.br/conteudo.php?tit=superagro_2011_debate_medidas_para_alavancar_a_producao_e_consumo_dos_produtos_apicolas&id=55151