Flores

Super-adubação, dá resultado?

É correto dizer que as plantas irão fazer uso de quaisquer recursos que encontram no solo. E é tentador assumir a partir deste, que a adição de mais fertilizante resultará em maior crescimento, pois a maioria das pessoas têm observado que as plantas crescem mais quando são fertilizadas, no entanto  isto não é bem assim. As plantas diferem grandemente em suas respostas aos nutrientes do solo que é ditado por suas taxas de crescimento inerentes, a duração de seus períodos de crescimento, suas idades, os tipos de sistemas de raízes que têm, e sua capacidade de absorver nutrientes. As plantas têm taxas de crescimento muito diferentes.

A maioria das pessoas que cultivam uma grande variedade de espécies sabem que algumas árvores tem rápido crescimento e outras rastejam. O aumento dos níveis de nutrientes no solo (adubação), não vai alterar essas taxas de crescimento inerentes. Compare as taxas de crescimento do ácer tridente com o do buxus. Se você aplicar a mesma quantidade de fertilizantes a uma árvore de cada um, que são do mesmo tamanho e idade, você vai obter a mesma quantidade de crescimento de ambos, isto é, será que eles assimilarão a mesma quantidade de nutrientes e irão incorporá-las em novas estruturas? A resposta é não. O buxus vai ficar muito atrás do Ácer tridente no seu nível de crescimento. Até as árvores dentro do mesmo gênero, tem significativas diferenças de exigências nutricionais e respondem diferentemente a níveis de nutrientes no solo. O crescimento de vários pinheiros durante uma temporada, varia muito na quantidade de crescimento da vela e da duração do crescimento. Pinheiros branco e vermelho, atingirão 10 a 15 cm no crescimento da vela na primavera e não aumentam significativamente depois.

Pinus taeda, Pinus echinata irão atingir 15 centímetros na primavera também, mas  continuam crescendo até o verão (Bioquímica e Fisiologia dos Hormônios Vegetais “, de Thomas Moore). Pinus thunbergi é bem reconhecido pelos bonsaístas, o pinheiro negro japonês tem uma taxa de crescimento significativamente diferente do Pinus parviflora, o Pinheiro branco japones. Esses dois nunca vão crescer na mesma taxa ou da mesma maneira, assim, mesmo dentro das limitações de um gênero, você vai encontrar respostas diferentes de crescimento para níveis de adubação.

Os efeitos aumentam com a adubação crescente
Aumento de fertilizantes não provoca aumento das taxas de crescimento, mesmo dentro de uma determinada planta. As respostas de muitas plantas para adubação têm sido muito bem estudadas, há um ponto de diminuição, ou decrescente com o aumento das aplicações de fertilizantes. Em “Solos: Uma Introdução ao Solo e Crescimento de Plantas” por Donahue et.al. mostra um gráfico da resposta de crescimento da planta à aplicação de fertilizantes. A curva é sigmoidal (“em forma de S”), e não linear. Há um platô na resposta de crescimento à medida que há aumento de fertilizantes e queda enquanto ela fica mais intensa, indicando que o aumento do fertilizante torna-se mais prejudicial do que bom.

À medida que mais e mais fertilizante é adicionado, o ganho em produtividade de cada incremento sucessivo é cada vez menor. A curva descendente, com o aumento da fertilização excessiva, deve-se a colheitas reduzidas por causa de coisas como problemas de sais e um crescimento desequilibrado (que pode aumentar a suscetibilidade da planta à doença e ao crescimento anormal).

Quantidades ideais de fertilizantes
Há definitivamente uma quantidade ideal e regime de adubo para cada árvore (que varia de árvore para árvore) e superior a isso pode ser prejudicial. Dr. Carl Whitcomb em “Produção Vegetal em Recipientes” também adverte sobre a aplicação de fertilizante excessivo e desequilibrado. Ele escreve: “O nível ideal de um nutriente para planta é, provavelmente, de alcance limitado, em vez de um determinado nível. Nota-se que escondido … toxicidades podem ocorrer muito antes de os sintomas de toxicidade aparecerem …”. Ele também mostra uma resposta de crescimento semelhante versus curva de fertilizantes. Eu li que tais advertências sobre as aplicações de fertilizantes excessivamente em todas as referências que tenho na nutrição das plantas. Mais uma vez, além de não aumentar diretamente o crescimento, o aumento dos níveis de fertilizantes pode causar problemas.

Estações adequadas
O crescimento das plantas também difere em épocas de crescimento. Existem algumas plantas que emitem novo crescimento contínuo durante a primavera e o verão, como os Juníperos e a Nana Obtusa, e algumas que apenas emitem novo crescimento na primavera. A aplicação de grandes quantidades de fertilizantes para todas as árvores pode resultar em mais crescimento em algumas, mas não em todas. Adicionando altos níveis de fertilizante durante todo o verão é sem dúvida um desperdício, uma vez que nenhum novo crescimento será provocado.

Planta Madura
Árvores também diferem em seu crescimento global, dependendo se a planta é jovem ou madura. A fisiologia das árvores jovens é diferente do que nas árvores mais velhas. As árvores jovens tendem a crescer mais rapidamente e por períodos mais longos de tempo. Algumas mudas podem dobrar de tamanho em um ano. Muitas árvores maduras crescem um pouco na primavera e param de crescer no meio do verão e realmente começa a ficar dormente. (Árvores mais velhas tendem a abrandar. Obviamente, uma árvore que dobra de tamanho a cada ano seria incrivelmente enorme, se mantida essa taxa por muitos anos). A adição de fertilizantes não vai fazer uma árvore que está indo para dormência, crescer novamente. A quantidade e o tempo de absorção de nutrientes serão bem diferentes em uma árvore mais velha do que em uma árvore jovem e apenas o aumento dos níveis de nutrientes no solo não altera isso também.

Taxas de absorção de acordo com a espécie
As raízes das plantas também diferem substancialmente na sua capacidade de absorver diferentes nutrientes. Por exemplo, a capacidade de absorção de magnésio pode ser até 60 vezes maior em uma planta do que em outra. Esta é uma diferença tremenda. Além disso, o capacidade de absorver um nutriente pode ser adversamente afetados por altos níveis de outro. A resposta aos níveis mais elevados de nutrientes não é igual e, novamente, altos níveis de fertilizante pode levar a desequilíbrios nutricionais e de crescimento desequilibrado que pode causar problemas de saúde, com suas árvores.

Há um velho ditado que diz “Todas as coisas com moderação”, e isso certamente se aplica à vida humana, bem como para os níveis de fertilizante para Bonsai.

 

l�Kn-@�(L�ormal; letter-spacing: normal; line-height: 17px; orphans: 2; text-align: left; text-indent: 0px; text-transform: none; white-space: normal; widows: 2; word-spacing: 0px; -webkit-text-size-adjust: auto; -webkit-text-stroke-width: 0px; background-color: rgb(255, 255, 255); “>Taxas de absorção de acordo com a espécie
As raízes das plantas também diferem substancialmente na sua capacidade de absorver diferentes nutrientes. Por exemplo, a capacidade de absorção de magnésio pode ser até 60 vezes maior em uma planta do que em outra. Esta é uma diferença tremenda. Além disso, o capacidade de absorver um nutriente pode ser adversamente afetados por altos níveis de outro. A resposta aos níveis mais elevados de nutrientes não é igual e, novamente, altos níveis de fertilizante pode levar a desequilíbrios nutricionais e de crescimento desequilibrado que pode causar problemas de saúde, com suas árvores.

 

Há um velho ditado que diz “Todas as coisas com moderação”, e isso certamente se aplica à vida humana, bem como para os níveis de fertilizante para Bonsai.

 

Fonte: http://www.plantasonya.com.br/tag/adubos/page/2