Trigo

Uso do trigo na alimentação dos suínos

Uso do trigo na alimentação dos suínos
O uso preferencial do trigo na alimentação humana, via de regra, tem destinado à alimentação animal grãos de qualidade inferior ou subprodutos de seu processamento industrial. Entretanto, o fator preço, aliado à composição nutricional, pode tornar o emprego de trigo de boa qualidade na alimentação animal viável e vantajoso.
O uso na alimentação de suínos se constitui em mais uma opção de comercialização e uma alternativa ao suinocultor para baratear os custos com a alimentação animal. Considerando que o trigo não compete com o milho em relação à infraestrutura produtiva da propriedade, torna-se economicamente viável integrá-lo num sistema de produção com milho e suínos.

Na formulação de rações, o trigo pode ser usado sem restrições, como fonte energética e protéica, considerando-se os seguintes aspectos:

1. Colheita e armazenagem
A colheita deve ser realizada o mais cedo possível para evitar perdas, principalmente em relação à qualidade do produto. Recomenda-se a colheita mecânica com  20% de umidade para o grão duro e de 25 a 35% para o grão destinado à silagem. A temperatura de secagem no grão não deve ser superior a 66oC, para não comprometer a qualidade da proteína do trigo. Se não for possível a secagem, o grão duro deve ser colhido com menos de 14% de umidade. Na colheita manual, o corte deve ser feito com 25% de umidade e a trilha após a secagem da palha e com umidade dos grãos abaixo de 14%. A armazenagem deve ser feita com o produto limpo e com umidade de 13%.

2. Aspectos nutricionais
Em geral, a composição do trigo é mais variada que a dos outros cereais e depende muito do tipo de cultivar.
A proteína do trigo é superior à do milho em concentração, qualidade e composição de aminoácidos. Os aminoácidos limitantes em ordem de importância são a lisina, a treonina, a metionina e a valina. As dietas, a partir do trigo, devem ser formuladas com base em aminoácidos, devido às variações no teor destes na proteína bruta. A suplementação com lisina e treonina pode reduzir em grande parte, o uso de farelo de soja, nas fases de crescimento e terminação. O principal componente energético do trigo é o amido que representa aproximadamente 60% do grão. Cerca de 14 do amido é composto por amilose, enquanto os 34 restantes são compostos de amilopectina. O trigo apresenta teores de energia digestível similares ao milho. No entanto, a energia metabolizável é 10% inferior a este, fato que também deve ser considerado na formulação da ração. O trigo contém entre 1 a 2% de lipídios, enquanto no milho este valor é de 3,7%, em média.
Em estudos realizados na Embrapa Suínos e Aves, concluiu-se que o trigo apresenta excelentes perspectivas de utilização na alimentação de suínos, mesmo quando o seu percentual de grãos germinados for alto. Dietas à base de trigo, com até 14% de grãos germinados, proporcionaram nos animais testados, desempenho semelhante aos animais alimentados com dietas contendo trigo sem grãos germinados.

3. Fatores antinutricionais
Os grãos de trigo podem ser atacados, ainda no campo, pelo fungo Fusaruim, Giberella em sua forma sexuada, que, em condições inadequadas de colheita e armazenagem, pode produzir micotoxinas. Os grãos giberelados podem ser retirados no processo de limpeza com máquina de ar e peneira. O fungo Claviceps, ou Ergot, eventualmente pode produzir uma toxina chamada ergotamina, quando a infestação for grande e as condições de armazenagem forem inadequadas.

O trigo contém inibidores da alfa – amilase que podem reduzir a digestibilidade do amido, embora ainda não tenham sido totalmente identificados.

4. Granulometria
O diâmetro médio das partículas recomendado para o trigo é de 0,85 mm ou mais para porcas e para as fases de creche e crescimento, e de 1,85 mm ou mais para a fase de terminação. O trigo não deve ser finamente moído pois torna-se farináceo e a palatabilidade pode ser prejudicada, reduzindo o consumo, além de contribuir para a incidência de úlceras gástricas. Grãos inteiros reduzem a digestibilidade, principalmente da energia, afetando o desempenho dos animais.

5. Silagem de grão
A silagem do grão com  35% de umidade, apresenta boa digestibilidade e maior concentração de energia e proteínas. Deve ser feita quando o grão apresentar 67 a 70% de massa seca. Acima disto há problemas de compactação e abaixo, poderá ocorrer perdas de líquido rico em nutrientes. Os grãos são amassados ou moídos e colocados no silo. A compactação é feita em camadas, formando um ambiente sem oxigênio, necessário para as fermentações desejáveis à silagem.
O tempo entre a colheita e a ensilagem deve ser curto, para evitar o aquecimento do material e a possível contaminação por fungos. Este problema também pode ocorrer com a ração, e por isso se recomenda fornecê-la aos animais no mesmo dia da elaboração. O consumo de ração com silagem de grão de trigo deve ser superior ao consumo de ração de grão seco, devido ao maior teor de umidade.
A formulação deve ser feita com base na matéria seca, a exemplo do que foi abordado para o milho.

Fonte:http://www.suinoculturaindustrial.com.br/PortalGessulli/AppFile/Material/Tecnico/alimentosuino.pdf