Soja

Soja garante crescimento das exportações gaúchas

22/08/13
Entre janeiro e julho, embarques do Estado alcançaram US$ 13 bi

A safra recorde da soja gaúcha está puxando para cima os resultados das exportações do Rio Grande do Sul em 2013. Entre janeiro e julho deste ano, o Estado exportou ao todo US$ 13 bilhões, um aumento de US$ 2,7 bi ante o mesmo período do ano anterior, quando o valor registrado foi de R$ 10,84 bi. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

De acordo com análise da Fundação de Economia e Estatística do Estado (FEE), a soja, sozinha, garantiu US$ 2,49 bi ao Estado – um aumento de 937,9 milhões em relação ao mesmo período do ano anterior. O milho também teve impacto nas exportações, com US$ 244 milhões, um aumento de US$ 216,5 milhões ante os sete primeiros meses de 2012.

Além disso, o Rio Grande do Sul teve a melhor evolução no valor das exportações, com uma variação de 26,6%, a maior entre os 10 maiores estados exportadores. No mesmo período, o Brasil teve retração de 2,2% no valor das exportações – US$ 138,2 bilhões em 2012 ante US$ 135,2 bilhões em 2013.

Segundo Guilherme Risco, economista da FEE, o valor é o mais alto já registrado para as exportações do período. Ele acredita também que o Estado poderá bater o recorde anual, que é de 2011, quando exportou US$ 19,4 bi. Em 2012, em razão da quebra da safra, de barreiras comerciais na Argentina e do embargo da carne brasileira na Rússia, houve queda de 10,5%, e foram exportados US$ 17,4 bilhões.

“Não é uma projeção oficial, mas pelos resultados a gente acredita que se mantenha um crescimento, já que boa parte da safra de soja ainda está entrando. Teria de acontecer algo muito crítico nos últimos meses para derrubar as exportações”, afirma Risco. O economista acredita que a safra pode também melhorar o desempenho da indústria de alimentos e bebidas até o fim do ano. Até agora, o setor exportou US$ 312 milhões a menos que nos sete primeiros meses de 2012.

Risco, porém, faz algumas ressalvas. Em primeiro lugar, a base de comparação era baixa. No mesmo período em 2012, o Estado havia exportado 6,9% menos que nos sete primeiros meses de 2011, quando o valor chegou a US$ 11 bilhões.

Além disso, diz Risco, o resultado da indústria está distorcido em decorrência da exportação de uma plataforma para exploração de petróleo no valor de US$ 1,6 bilhão. O equipamento ficou no Rio de Janeiro, mas como a empresa que o adquiriu tem sede no Panamá, o valor entrou na conta das exportações. Segundo o economista, a movimentação não é comum, e pode dar a impressão de que a indústria passa por um bom momento. “Se subtrairmos esse valor, o setor exportou US$ 37 milhões a menos que no ano anterior”, informa.

Fonte: Agrolink