Pecuária

Setor avícola afasta ameaça de crise e fecha 1º semestre com 12 mil novos empregos

25/09/2017

Levantamento da Expedição Avicultura indica crescimento em abate, exportação e receita até o final do ano

Nem mesmo a Operação Carne Fraca, deflagrada em março, ou a instabilidade nos preços dos insumos, foram capazes de mexer com os índices de geração de emprego e distribuição de renda no setor avícola brasileiro. O diagnóstico é da Expedição Avicultura – levantamento técnico-jornalístico da cadeia da carne de frango que percorreu mais de 15 mil quilômetros pelas principais regiões produtoras do país. Na terça-feira (26), a equipe do projeto apresenta um balanço das visitas de campo durante o encerramento da quarta edição. O evento ocorre em Palotina (PR), às 8h, no Complexo Agroindustrial da C.Vale, e vai reunir representantes de todos os elos da cadeia produtiva no Brasil.

A avicultura é responsável pela manutenção de 3,6 milhões de empregos diretos e indiretos no Brasil. Somente no primeiro semestre de 2017, o setor gerou mais de 12 mil novos postos de trabalho e deve fechar dezembro com receita 10% maior que a registrada em 2016. O desempenho em produção e exportação também será positivo: os abates devem crescer até 4,6% até o final do ano e o volume de embarques em 1,55%. “Durante os roteiros de campo, foi possível perceber que as indústrias e os produtores trabalham com cautela, mas estão prontos para investir ainda mais no setor”, avalia o gerente do Núcleo de Agronegócio Gazeta do Povo e coordenador da Expedição Avicultura, Giovani Ferreira.

Roteiros

Entre agosto e setembro, a Expedição Avicultura 2017 visitou os principais estados produtores da proteína. Além do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, contemplados nas edições anteriores, a equipe de técnicos e jornalistas percorreu São Paulo, Minas Gerais e Goiás. Juntos, os seis estados respondem por 84% dos abates e 75% dos embarques de carne de frango do país. “O setor avícola é um grande indutor de desenvolvimento no campo e na cidade. Por isso procuramos discutir sua importância, fazer um diagnóstico e apontar tendências, para criar um palco de debates permanente”, ressalta Ferreira.

Fonte: Agrolink