Custo de Produção

Seringueira surge como bons negócios para pequenos produtores

Uma cultura muito comum na região Norte do Brasil, a seringueira, começa a chegar ao Noroeste do Paraná como uma boa opção para os pequenos agricultores. A extração da borracha tem se mostrado um bom negócio para agricultores da região. Depois de formada, as plantas precisam de poucos cuidados e o rendimento por alqueire supera outras culturas tradicionais na região, como a mandioca e o milho. O único empecilho até agora é o tempo de espera de sete anos, até que a árvore esteja pronta para extração do látex.
Em todo Paraná, são poucos os produtores de seringueira, mas a maioria está na região arenito caiuá. Alto Paraná tem hoje dois produtores, Paranavaí um, Rondon um e o maior plantio da região está no município de Paranapoema.

O agricultor Nicio Otani é um dos mais antigos produtores de borracha da região. Ele iniciou o plantio em 1990 para substituir uma área de café, que na época atravessava uma séria crise de preços. Otani gostou tanto da cultura, que já plantou uma nova área e iniciou um viveiro para venda de mudas.
Segundo ele, o maior empecilho hoje contra a seringueira é o tempo de espera para produção. A árvore só produz após sete anos, no entanto, nesse período a área pode ser consorciada com outras culturas como mandioca e café. Depois da produção iniciada, é possível extrair borracha por 35 anos. “Nesse período de espera é possível ter outras culturas em meio à seringueira, até que ela comece a produzir”, explica.
Ele conta que o seringal precisa de um maior cuidado apenas nos três primeiros anos de vida. Após esse período, a planta se desenvolve normalmente e depois que começa a produzir, praticamente não há gastos com fertilizantes e adubo. A seringueira é rústica e o solo de arenito ainda favorece seu crescimento.
Otani tem uma área de dois alqueires com 1.850 árvores, em plena produção. Na época, ele plantou 2,2 mil árvores, mas como não tinha experiência de cultivo, algumas não vingaram. Já em uma nova área, também de dois alqueires, o produtor colocou 2,7 mil plantas, que devem entrar em produção dentro de 3 anos.
Segundo ele, cada árvore produz oito quilos de borracha por ano. Hoje, a borracha está sendo vendida por R$ 2,30 o quilo. Isso rende uma média de R$ 18,40 por árvore durante o ano. “É uma renda excelente por alqueire. A seringueira rende mais que outras culturas, principalmente, porque não há gastos com adubos e fertilizantes. Só é preciso um controle de herbicidas para controlar o mato, mas não é muito também”, revela.
De acordo com Otani, a rusticidade da planta seria seu grande trunfo, porque isso baixa o custo de produção. Ele também conta que um homem sozinho é capaz de cuidar de um seringal de dois alqueires.
O trabalho vai de setembro até junho e nos meses de julho e agosto não há produção, porque a seringueira troca suas folhas. “Não é uma cultura difícil de lidar. Eu cuido sozinho desses dois alqueires”.

Fonte: http://tesouro-verde.blogspot.com/2009/09/seringueira-surge-como-bons-negocios.html