Produtivo

Semeadura

A semeadura compreende diversas operações e normas técnicas que devem ser adotados pelos lavradores. Pode-se mesmo afirmar que a semeadura, feita corretamente, é uma das operações que maior implicação tem na produção a ser obtida. Mesmo que o solo seja muito bem preparado, conservado, fertilizado, produções medíocres serão obtidas se a semeadura não for feita corretamente. Espaçamento, quantidade de semente e modo de semear, são os três aspectos mais importantes da operação de semeadura e para os quais o lavrador deve voltar toda a sua atenção e procurar executá-los da melhor maneira possível, para que prejuízos futuros não ocorram.

A primeira operação a ser executada é o sulcamento ou riscação do terreno. Se a semeadura for executada por semeadeiras de tração com trator, de duas ou mais linhas, o sulcamento é feito simultaneamente com a operação de semeadura propriamente dita. Essas semeadeiras normalmente possuem os sulcadores adequados para essa operação. Quando se emprega a semeadeira de tração animal, há necessidade de executar a riscação ou sulcamento do terreno numa operação independente da semeadura. Com as semeadeiras de tração animal não é possível executar as duas operações simultaneamente, como nas de tração motora.

O sulco ou risco deve ter uma profundidade em torno de 15cm. e largura de 30cm, conforme o esquema abaixo.

Executado segundo essa recomendação, esse sulco apresenta vantagem, principalmente no que se refere à facilidade de cultivo para controle de ervas daninhas, que se desenvolvem junto com as plantas de milho, logo após a germinação.

Quando na gleba já estão locadas as linhas de nível, o sulcamento deve obedecer ao sentido das mesmas. Caso não haja essa marcação, será executado procurando a direção que “corte as águas”.

A segunda operação é a semeadura propriamente dita e que envolve principalmente espaçamento, regulagem das semeadeiras e cobertura das sementes.

O espaçamento adotado deve ser o de 1metro entre os sulcos e as semeadeiras reguladas para deixar cair de 6 a 7 sementes por metro do sulco, quando se tem um semente com 90% para mais de germinação. As semeadeiras, tanto de tração animal como motora, possuem duas aletas colocadas posteriormente do local que deixa cair às sementes no solo, que devem ser bem reguladas para que a quantia de terra colocada sobre a semente seja uma camada uniforme, de 5 cm mais ou menos.

Essa recomendação relativa à quantidade de sementes por metro de sulco é dada no sentido de se obter, no final do ciclo da cultura, cinco plantas produtivas por metro, que é a população ideal de plantas por unidade de área, ou seja, 50.000 plantas por ha ou cerca de 120.000 plantas por alqueire paulista.

Resultados obtidos nos ensaios de espaçamento de milho, realizados pelo Instituto Agronômico de Campinas, mostraram os seguintes resultados:

Espaçamento ( em metro ) Produções obtidas em kg/ha
1 Planta 2 Plantas
0,20 4.690 4.060
0,40 3.930 4.460
0,60 2.720 4.120
0,80 2.720 3.690
1,00 2.160 3.240

Pelo quadro acima, nota-se que o espaçamento de melhor resultado foi o de 20cm entre uma planta e outra. Como os sulcos são distanciados 1 metro entre si, a população das plantas será da ordem de 50.000 por hectare.

O espaçamento pode sofrer variações, pois a recomendação acima pode não ser a mais correta levando em consideração a fertilidade do solo, ou a quantidade de fertilizantes aplicados. Por essa razão, o lavrador que vem plantando milho ou outra cultura durante anos seguidos, portanto, conhecendo bem a capacidade de produção de seu solo, deverá ter o conhecimento do espaçamento que melhor produz em suas terras.

A recomendação de 6 a 7 sementes por metro de sulco, com o objetivo de se obter 50.000 plantas/ha, é a que proporciona melhor resultado, partindo do princípio de que o solo seja bastante fértil ou as adubações corretamente processadas.

Como se pode notar, a quantia de sementes que se recomenda, está um pouco acima do número de plantas que se pretende obter por metro de sulco. Essa recomendação é plenamente justificável porque dificilmente 100% das sementes germinarão e mesmo que germinem algumas plantas poderão sofrer danos mecânicos por ocasião dos cultivos, serem atacados por alguma praga, etc. Há assim uma garantia de se obter uma população razoável por unidade de área, sem o que infalivelmente não se obterá as melhores produções, mesmo que todas as operações e adubação sejam corretamente executadas.

Essas recomendações para a operação de semeadura partem do princípio de que o lavrador possua, pelo menos, uma semeadeira/adubadeira, de tração animal. A semeadura realizada manualmente, ou com equipamento mais rudimentar, deixa muito a desejar, e, só se justifica para áreas muito pequenas, que não compense ao lavrador possuir um animal, e uma semeadeira/adubadeira. É um equipamento relativamente barato e serve também para adubar e semear outras culturas, o que torna sua aquisição menos onerosa.

Pelo quadro acima, nota-se que o espaçamento de melhor resultado foi o de 20cm entre uma planta e outra. Como os sulcos são distanciados 1 metro entre si, a população das plantas será da ordem de 50.000 por hectare.

O espaçamento pode sofrer variações, pois a recomendação acima pode não ser a mais correta levando em consideração a fertilidade do solo, ou a quantidade de fertilizantes aplicados. Por essa razão, o lavrador que vem plantando milho ou outra cultura durante anos seguidos, portanto, conhecendo bem a capacidade de produção de seu solo, deverá ter o conhecimento do espaçamento que melhor produz em suas terras.

A recomendação de 6 a 7 sementes por metro de sulco, com o objetivo de se obter 50.000 plantas/ha, é a que proporciona melhor resultado, partindo do princípio de que o solo seja bastante fértil ou as adubações corretamente processadas.

Como se pode notar, a quantia de sementes que se recomenda, está um pouco acima do número de plantas que se pretende obter por metro de sulco. Essa recomendação é plenamente justificável porque dificilmente 100% das sementes germinarão e mesmo que germinem algumas plantas poderão sofrer danos mecânicos por ocasião dos cultivos, serem atacados por alguma praga, etc. Há assim uma garantia de se obter uma população razoável por unidade de área, sem o que infalivelmente não se obterá as melhores produções, mesmo que todas as operações e adubação sejam corretamente executadas.

Essas recomendações para a operação de semeadura partem do princípio de que o lavrador possua, pelo menos, uma semeadeira/adubadeira, de tração animal. A semeadura realizada manualmente, ou com equipamento mais rudimentar, deixa muito a desejar, e, só se justifica para áreas muito pequenas, que não compense ao lavrador possuir um animal, e uma semeadeira/adubadeira. É um equipamento relativamente barato e serve também para adubar e semear outras culturas, o que torna sua aquisição menos onerosa.

Fonte:  http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/milho/milho-11.php