Raças

Semana Nacional do Cavalo Campolina tem ovinos Dorper e White Dorper

07/08/13
Carneiros e ovelhas das raças Dorper e White Dorper dividirão espaço com potros, potras, éguas e garanhões no Parque da Gameleira, durante a 33º Semana Nacional do Cavalo Campolina. Isso porque o evento abrigará uma exposição ranqueada desses ovinos.

A ideia em promover a integração partiu do próprio presidente Luiz Roberto, que cria ovinos Dorper e White Dorper há alguns anos e recomenda o investimento. “A ovinocultura tornou-se promissora, especialmente agora que o mercado do cordeiro está bastante aquecido. Esses ovinos de origem sul-africana fazem grande sucesso pela rusticidade sem igual e capacidade de gerar incremento na produção e renda. Quem seleciona para vender reprodutores e matrizes superiores está fazendo um excelente negócio”, diz.

O cronograma está em planejamento, mas a Associação Brasileira dos Criadores de Dorper (ABCDorper), que assiste os criadores dessas raças, prevê uma movimentação interessante de animais e criadores, principalmente, em São Paulo, onde estão os maiores plantéis, e Minas Gerais, onde a atividade, aos poucos, ganha força.

Regina Valle, do departamento técnico da ABCDorper, estima que das 250 mil cabeças de ovinos espalhadas em Minas Gerais, cerca de 30 a 40% são animais puros ou cruzados com Dorper ou White Dorper. Dentre as regiões produtoras, o Triângulo Mineiro vem se destacando, com três projetos de produção em escala comercial.

“Os preços mais atraentes estimulam o mercado e a entrada de novos criadores. A maioria dos cordeiros mineiros são levados para São Paulo e Rio de Janeiro, locais em que o consumo é mais elitizado”, explica Carlos Henrique S. Rodrigues, do Núcleo Mineiro do Dorper, sediado em Uberlândia (MG), que vende reprodutores e matrizes para criadores na região.

Mais um modelo que ganha impulsão no Estado é a Nuccorte (Núcleo de Criadores de Caprinos e Ovinos das Vertentes e Zona da Mata). Com seus 53 produtores em sistema de cooperativismo, o grupo detém quase 10 mil matrizes em idade reprodutiva. Para oferecer bons produtos, os cordeiros são abatidos com no máximo 150 dias de idade e peso em torno de 35 a 50 quilos. “O Dorper e o White Dorper são fundamentais nesse processo, pois imprimem precocidade e valor de carcaça. Como resultados, nosso produtores recebem preços acima do mercado”, diz Luciano Piovesan, da Nuccorte.

 

Fonte: Agrolink