Milho

Sem China, preço do milho cai 2,7%

Ana Conceição

Os preços do milho fecharam com queda expressiva na Bolsa de Chicago diante da ausência de aquisições da China. O país tem adquirido grão quase que diariamente e, como não houve transações ontem, os participantes do mercado decidiram realizar lucros sobre a recente alta dos preços, provocada justamente pelas importações chinesas. O contrato maio fechou com queda de 2,69%, para US$ 6,71 por bushel.

A China passou de exportador a importador de milho justo no momento em que os estoques dos Estados Unidos – maiores produtores e exportadores do mundo – estão nos menores níveis em 15 anos. Isso contribuiu para sustentar os preços ao longo das últimas semanas. Enquanto isso, o mercado espera com certa ansiedade as primeiras estimativas sobre o plantio do grão nos EUA na próxima safra, que saem daqui a dois dias. Como o milho disputa espaço com a soja no país – não há espaço para o cultivo de ambos crescerem – muitos temem que a produção do ciclo 2011/12 não seja suficiente para recompor os estoques norte-americanos. A queda da cotação do milho levou junto a da soja e a do trigo. A primeira recuou 0,72%, para US$ 13,4850 e a segunda cedeu 1,09%, para US$ 7,2525 por bushel.

Na Bolsa de Nova York, o contrato maio do açúcar recuou 2,91% para 27,05 centavos de dólar por libra-peso. O café cedeu 3,42%, para 197,49 centavos.

(O Estado de S.Paulo – SÃO PAULO – (SP) – 29/03/2011 – Mercados)

Fonte: http://www.abramilho.org.br/noticias.php?cod=1457