Mudas e Sementes

Seleção de clones resistentes reforça programa de melhoramento de batata

25/08/2015

A atividade no projeto não é de melhoramento genético da hortaliça, mas atua como importante componente das pesquisas que visam desenvolver novas cultivares mais resistentes. Pioneiro e único no mundo, o trabalho que vem sendo desenvolvido há mais de 25 anos pelo pesquisador Carlos Lopes, da Embrapa Hortaliças (Brasília-DF), idealizador da metodologia, tem como proposta a Seleção de Clones de Batata Resistentes à Murcha Bacteriana, e com perspectivas bastante promissoras.

O foco é voltado para um dos principais problemas da batata, a murcha bacteriana – causado por Ralstonia solanacearum – bactéria presente no solo e de difícil controle – as perdas são grandes, principalmente no plantio de verão, durante o período das chuvas, quando a cultura fica exposta à grande umidade e temperaturas elevadas, ficando mais vulnerável ao ataque da bactéria. “Além de existir no solo, a doença é transmitida pela batata-semente, então para produzir é importante que não haja contaminação, nem do solo e nem da batata-semente”, observa Lopes. “Esse trabalho representa um reforço à pesquisa de melhoramento para a obtenção de clones resistentes à doença, mas não apenas isso”, sublinha.

Segundo ele, não adianta somente apresentar uma alta resistência à murcha bacteriana, sem o apelo comercial junto: “Estamos procurando, ao mesmo tempo, aumentar a resistência e melhorar o aspecto do tubérculo”. O pesquisador informa que não está sozinho nessa cruzada. Além do Centro Internacional da Batata (CIP), no Peru, o Instituto Nacional de Investigação Agrária (Inia), no Chile, também participa desse trabalho, onde são avaliados materiais desses países para novos cruzamentos.

Partilhando a mesma genética institucional, o trabalho liderado pelo pesquisador Arione Pereira, da Embrapa Clima Temperado (Pelotas-RS) e coordenador do Programa de Melhoramento de Batata, é apontado por Lopes, como bastante significativo no que se refere aos avanços. “Alinhamos os passos e estão sendo realizados os cruzamentos dos clones – os resistentes à murcha bacteriana, obtidos na nossa Unidade, com os materiais de padrão comercial, desenvolvidos na Unidade de Pelotas, o que nos possibilita um progresso na geração de materiais resistentes e com valor de comercialização”.

Fonte: Embrapa Hortaliças
Autor: Anelise Macedo