Soja

RO: produção de soja no Estado tem expectativa de crescimento maior que produção brasileira

11/11/2016

De acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Rondônia tem expectativa de aumento de produção de soja entre 8,4% e 11,6% em relação à última safra. Já a produção brasileira tem expectativa de crescimento entre 6,7% e 9%. A soja é o segundo produto mais exportado pelo Estado, tendo movimentado US$ 274,9 milhões entre janeiro e outubro deste ano.

Na última safra, foi plantada soja em 234,54 mil hectares no Estado, produzindo 765 mil toneladas. Para a safra 2016/2017, a previsão é que sejam produzidas entre 829,5 mil toneladas e 853,7 mil toneladas em cerca de 260 mil hectares. A produtividade rondoniense também é maior que a média brasileira. Na safra 2015/2016, Rondônia produziu em média 3,02 mil quilos por hectare. Já a média brasileira foi de 2,87 mil quilos por hectare.

Segundo dados da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron), os seis municípios com as maiores áreas destinadas à produção de soja estão localizados no Cone Sul do Estado, sendo Vilhena (43.963 ha), Corumbiara (39.415 ha), Pimenteiras do Oeste (26.972 ha), Cerejeiras (26.417 ha), Chupinguaia (23.898 ha) e Cabixi (21657 ha).

O Cone Sul também tem os seis municípios com mais propriedades rurais produtoras de soja: Cerejeiras (317), Corumbiara (199), Pimenteiras do Oeste (159), Cabixi (135), Vilhena (79) e Colorado do Oeste (36). No total, Rondônia tem 1.124 propriedades rurais produtoras de soja.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Rondônia (Aprosoja), Nadir Comiram, diz que um dos fatores que favorecem o aumento da produção é a logística do Estado para o escoamento do produto. Outro fator positivo, segundo Comiram, é que a soja está sendo produzida em áreas degradadas.

“Estamos produzindo sem desmatar. Hoje é usado só 5% das áreas degradadas e ainda temos muitas áreas que podem ser utilizadas para a produção de soja”, fala o presidente da Aprosoja. Ele completa dizendo que Rondônia tem muita área boa para produzir soja e que o Estado tem perspectiva de crescimento por vários anos.

Para a Idaron, uma das condições que contribuem para o aumento da produção é o cumprimento do vazio sanitário da soja, período em que fica proibido cultivar este grão. Conforme explica a gerente de Defesa Vegetal, Rachel Barbosa, o vazio sanitário visa evitar a proliferação da ferrugem asiática da soja, o que reduz o risco de perdas do produto e a aplicação de agrotóxico para combater a praga.

“A soja tem uma importância econômica grande para Rondônia e está ganhando mais espaço a cada ano em todo o Estado. Por isso, a Idaron se preocupa tanto com a sanidade do que é produzido aqui”, fala o presidente da Idaron, Anselmo de Jesus.

Segundo o secretário de Agricultura (Seagri), Evandro Padovani, outra medida que vai contribuir para o aumento da produção agrícola no Estado é a redução da alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) de fertilizante de 8,4% para 2,1% no Mato Grosso.

“Hoje os produtores de Rondônia adquirem em torno de 150 mil toneladas de fertilizantes dos estados do Paraná e do Rio Grande do Sul. Com a redução da alíquota no Mato Grosso, diminui o custo de produção, porque barateia o frete”, fala Padovani.

Fiscalização do vazio sanitário da soja
No último vazio sanitário da soja, encerrado no dia 15 de setembro, foram realizadas 822 fiscalizações em Rondônia. Essas fiscalizações resultaram em 21 notificações por existência de plantas tigueras, que são plantas que nascem voluntariamente.

Agora, os produtores de soja devem cadastrar suas propriedades na Idaron, por meio do site (www.idaron.ro.gov.br) ou indo até uma Unidade de atendimento até o dia 30 de dezembro.

Texto: Amabile Casarin

Fonte: Agrolink