Curiosidades

RO: Pequeno agricultor abastece escolas e hospitais

14/04/15
Com a satisfação de quem produz alimentos livres de agrotóxicos para merenda escolar e para hospitais, o pequeno produtor rural Ezequiel Antunes Castro, proprietário da Chácara Estância Olho D’água, na zona rural de Porto Velho, é um exemplo de prosperidade e felicidade em família, num ambiente de aptidão heterogênea de rica diversidade produtiva.

Ali, ele e a esposa Delma Gomes de Castro cultivam 3.500 covas de macaxeira, 150 covas de banana, 20 mil covas de abacaxi, numa área que está sendo ampliada com mais 40 mil novas mudas, 300 covas de mamão papaia, e a plantação de dois hectares de cana, além de um pequeno tanque de criação de peixes, e muita galinha caipira, cujo projeto é chegar a 800 cabeças.

Segundo Ezequiel, quem visita hoje sua pequena propriedade nem faz ideia da força que ele e sua família empregaram para torná-la produtiva e agradável, antes uma área inóspita e de capoeira fechada. Ele lembra que no início foi muito difícil, pelas dificuldades naturais do lugar, mas aos poucos, com uma convivência pacífica com a natureza, foi dominando seus mistérios e crescendo.

O pequeno produtor reconhece que situação só começou melhorar com o advento da criação do Banco do Povo, que socorreu a ele e a tantos outros produtores rurais ali assentados. Satisfeito, ele disse que já está no terceiro empréstimo junto ao Banco, num montante total de R$ 16 mil, recursos com os quais consegue preparar as áreas de plantio e comprar equipamentos para irrigação, insumos, adubos, calcário, sementes, essenciais ao trabalho que desenvolve.

A Chácara Estância Olho D’água, de apenas 6 hectares, fornece alimentos para a Emater e para a Secretaria Municipal de Educação de Porto Velho, com um faturamento médio de R$ 5 mil mensais, renda que é reforçada com outras atividades da propriedade, como o caldo de cana, por exemplo, que é outra importante fonte de renda da família.

A linha de crédito disponibilizada pelo Banco do Povo, na verdade, é um programa do Governo de Rondônia que visa fomentar e incentivar as atividades de micros e pequenos empreendedores urbanos e rurais, concebido para gerar emprego e renda, contribuindo, por conseguinte, para a regularidade desses empreendimentos, dando-lhes o caráter atividade formal.

CARTÃO MAIS SEMENTES

Atento ao alcance do microcrédito na vida dos cidadãos de iniciativa empreendedora, o Governo de Rondônia estendeu seu apoio ao campo, criando uma linha de crédito especifica ao pequeno agricultor para aquisição de sementes, concretizada por meio do Cartão Mais Sementes.

Considerada de suma importância e de retorno garantido, esta linha de crédito está revitalizando as atividades nas pequenas propriedades de Rondônia, eis que sem burocracia e por meio do Cartão Mais Sementes, o produtor rural é quem decide quando e que tipo de semente comprar.

Mais importante é que esta linha de crédito do Governo de Rondônia, operacionalizada pelo Banco do Povo, tem uma carência de seis meses e juros de 1% ao ano, com possibilidade de isenção total futura, o que ainda é apenas projeto, segundo previsão do secretário de Estado da Agricultura (Seagri), Evandro Padovani.

Para ele, o Cartão Mais Sementes é uma iniciativa de alcance do governo, tendo em vista que dá ao agricultor a oportunidade de escolher o tipo e a qualidade da semente que deseja adquirir, eliminando o método anterior, onde o produtor, que quisesse, era obrigado aceitar uma semente adquirida em outros estados, sem garantia de germinação, e que não tinha nenhuma importância para a economia local, já que era importada.

“Hoje o Cartão Mais Semente, além de servir ao pequeno produtor rural, movimenta a economia municipal, já que ele é um produto de Rondônia e só pode ser utilizado dentro do Estado”, disse Padovani, ressaltando que de posse do Cartão o produtor pode também adquirir insumos, adubos, ferramentas e equipamentos necessários à sua atividade na lavoura.

Presente em todas as regiões de Rondônia com 27 postos de atendimento a micros e pequenos empreendedores, o Banco do Povo dispõe atualmente de R$ 10 milhões para financiar pequenos negócios em todo Estado, e R$ 5 milhões para socorrer com empréstimos empreendedores prejudicados pelas enchentes em Porto Velho, Guajará Mirim, Nova Mamoré, Jacy-Paraná, Extrema, Abunã, Calama, São Carlos e nas comunidades de Nazaré, Terra Caída, Maici, Vila de Jirau e Joana D’Arc.