Tangerina

Região de Sorocaba é uma das principais na produção de tangerina

Marcelo Roma
marcelo.roma@jcruzeiro.com.br

Estudo do Instituto de Economia Agrícola (IEA/Apta), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, destacou Sorocaba como uma das principais regiões produtoras de tangerina, ou mexerica como também é conhecida a fruta. O levantamento analisou os anos de 2009 a 2013 e registrou uma perda de 1,8 milhão de pés no Estado devido ao “envelhecimento natural do pomar, bem como problemas de pragas e doenças de difícil controle, tais como mancha marrom de alternária, declínio, clorose variegada, morte súbita e o greening”. Esses fatores comprometeram o pomar e elevaram o custo de produção.

Em 2013, o cultivo da tangerina totalizou 4.833 mil pés em todo o Estado. Os 19 municípios do Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) de Sorocaba tinham 505 mil pés em 2013 e a produção foi de 1,47 milhão de caixas (de 40,8 quilos cada uma), de acordo com o levantamento do IEA. Está entre as três regiões de maior relevância no Estado, junto com São João da Boa Vista e Jaboticabal.
A redução do plantio e queda na produção foram significativas na região do EDR de Itapetininga, conforme o IEA. O estudo apontou uma queda de 666 mil pés em 2009 para 157 em 2013. Quanto à produção, houve baixa de 1,7 milhão de caixas em 2009 para 308 mil em 2013. Envelhecimento do pomar, pragas e doenças fizeram com que agricultores trocassem a tangerina por outras culturas.

Safra e empregos

O período de safra da fruta ocorre a partir de maio e em algumas regiões indo até dezembro. No Brasil e em São Paulo a preferida é a variedade poncã, por ser mais doce. O principal mercado é o interno. Em 2014, a produção reduzida elevou o preço. Pesquisadores do IEA estimaram também a mão de obra empregada no cultivo da tangerina no Estado. “O ano de 2009 foi o que a cultura ocupou 9.368 pessoas diretamente nos pomares paulistas, e 2013 foi o de menor ocupação, com 6.770 pessoas, sem computar a colheita.”
Normalmente é necessário uma pessoa para o cultivo de 2 hectares. Os cuidados são realizados por pessoas que, com seus familiares, estão fixados no meio rural com o sustento ligado diretamente à produção de tangerinas. A cultura proporciona trabalho e sustento a um elevado número de outras pessoas que atuam em atividades correlatas, como no transporte, distribuição, indústria de sucos e comercialização.

Ranking

Em 2013, a produção no Estado foi de 11,09 milhões de caixas de 40 quilos, com 4.833 pés. Segundo o estudo, “a tangerina ocupou, em 2013, a 16ª posição no ranking do valor da produção dos principais produtos do Estado de São Paulo (total de 51 produtos), variando de R$ 298,23 milhões em 2009 a R$ 493,74 milhões, apresentando variação anual de 12,4%”. Entre as frutas frescas, no mesmo ano a tangerina ocupou a 4ª posição no ranking, ficando atrás apenas de banana, laranja de mesa e limão.

Fonte: www.cruzeirodosul.inf.br