Café

Reflexos do El Niño impactam oferta global de café

Publicado em 30/03/2016

O café arábica, que registrou consecutivas altas recentemente, ainda pode continuar sua trajetória de ascensão neste ano. Isso, por conta da queda na oferta global da commodity devido as perdas em alguns países da América do Sul e Sudeste Asiático causadas pelo fenômeno climático El Niño, de acordo com operadores e analistas do setor.

A demanda mundial poderá superar a produção em 4 milhões de sacas de 60 kg nesta temporada. No atual ano agrícola, houve um déficit de 4,8 milhões de sacas, segundo um operador da Coex Coffee Group, com sede em Miami. Os estoques do Brasil serão os menores em 15 anos até 30 de junho, de acordo com o exportador local, Tristão Trading Co.

“A oferta mundial está muito ajustada, frágil”, disse o diretor geral da Coex, Ernesto Álvarez.

O café arábica para entrega em maio/16 caiu em 2,1%, cotado US$ 1,3155 por libra-peso, na segunda-feira passada, depois de três semanas consecutivas de alta até 18 de março, que resultaram em um aumento de 20% sobre as mínimas de janeiro. Isso é o que se entende como um mercado altista.

O aumento nas últimas semanas é um giro de 180º para o café, que tem sido afetado nos últimos meses pela força do dólar em relação a outras moedas, em especial, o real brasileiro e o peso colombiano, impulsionando as exportações desses países. Porém, a bonança das exportações se mostrou temporária, de acordo com Álvarez, já que a oferta está caindo em sua origem enquanto a demanda global aumenta a um máximo histórico.

Enquanto isso, a falta de chuvas tem prejudicado as plantações do café robusta no Brasil, ameaçado lavouras do Vietnã e Indonésia, e reduzido a produção na Colômbia. Os estoques de arábica monitorados pela ICE Futures US, em Nova York, encontram-se em um mínimo de quatro anos e caminham para o décimo trimestre consecutivo de queda.

Tradução: Jhonatas Simião

Fonte: El Espectador