Mudas e Sementes

Recuperação e renovação de pastagens para garantia de produtividade na lavoura

07/04/2016

A ExpoZebu Dinâmica  – “A feira que alimenta a pecuária” acontecerá em Uberaba-MG, de 04 a 06 de maio, na Estância Orestes Prata Tibery Jr. Promovida pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), a feira está em sua terceira edição e tem a missão de aproximar os produtores rurais de soluções tecnológicas para aumento da produtividade.

Para isso, a feira terá como destaques sistemas produtivos sustentáveis como os sistemas de Integração Lavoura, Pecuária-Floresta (ILPF) nas suas diferentes modalidades, além da apresentação de novos cultivares, insumos, máquinas, equipamentos, serviços, visando ampliação da produtividade da pecuária e da agricultura, importantes elos da cadeia do agronegócio da região.

Neste ano, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa, participa como correalizadora deste evento. Para representar a empresa, as Unidades Milho e Sorgo, Cerrados, Trigo e Pecuária Sudeste apresentarão tecnologias relacionadas aos sistemas de produção ILPF e Integração Lavoura-Pecuária (ILP), além da apresentação de novos cultivares de soja, milho, trigo, sorgo, milheto e espécies forrageiras. Serão aproximadamente 5 hectares para exposição dos cultivares e das tecnologias em sistemas de cultivo de grãos consorciados com forrageiras em ILP, além de 13 hectares em sistema ILPF implantados desde o ano de 2013 com diferentes espécies exóticas.

Segundo o pesquisador Emerson Borghi, da Embrapa Milho e Sorgo, o objetivo da apresentação destes sistemas é demonstrar estratégias de recuperação e renovação de pastagens pelo uso do ILP, tanto para produção de grãos e silagem, quanto para a produção de pastagens.

“Os produtores buscam informações sobre a viabilidade técnica e econômica para a recuperação de pastagens usando a ILP. Além disso, há uma procura por novos materiais tanto para pastagem quanto para produção de silagem e grãos, motivo pelo qual a Embrapa resolveu ampliar a quantidade de plots demonstrativos com a apresentação de materiais, em 2016. Assim, produtores, pecuaristas, técnicos, estudantes e profissionais do agronegócio poderão encontrar informações técnicas atuais e buscar coeficientes técnicos que auxiliarão na tomada de decisão sobre tecnologias nos mais diferentes segmentos do agronegócio regional”, diz o pesquisador.

Para demonstração de espécies forrageiras, estarão expostas espécies gramíneas e leguminosas para a produção pecuária, tanto em cultivo solteiro como em consórcio. Além de espécies de Brachiaria e Panicumtradicionais, há ainda leguminosas com o amendoim forrageiro (Arachispintoi), feijão guandu, estilosantes (Stylosanthes spp). Entre as culturas produtoras de grãos, materiais de trigo, soja, milho, sorgo e milheto estarão apresentados como opções de cultivo para as mais diferentes condições de cultivo.

Em áreas maiores, destinadas à demonstração de sistemas em ILP, a Embrapa simulou diversas opções de cultivos consorciados, visando a produção de grãos e forragem. Serão apresentadas áreas com milheto consorciado com capim-Paiaguás,  sorgo para corte e pastejo consorciado com o capim-Paiaguás,  sorgo BRS 655 consorciado com o capim-Paiaguás e o milho consorciado com o capim-Paiaguás. “São opções técnicas já validadas em outras regiões e que podem ser adotadas tanto por produtores quanto por pecuaristas. A dimensão destas áreas permitirá aos visitantes a visualização de forma mais evidente dos benefícios do sistema, assim como os pesquisadores estarão disponíveis para demonstrar os resultados e esclarecer as dúvidas”, esclarece Borghi.

A Embrapa preparou plots com as espécies de sorgo, milheto, milho, soja e trigo. Dentre eles estão alguns cultivares novos, como o sorgo granífero BRS 373.

O novo cultivar de sorgo granífero, BRS 373, é recomendado para plantio no sistema sucessão (safrinha), nas regiões Sul, Sudeste, Centro Oeste e Oeste Baiano. Segundo o pesquisador Cícero Beserra de Menezes, o BRS 373 alia produtividade com precocidade. “Este cultivar possui alta estabilidade de produção, resistência ao acamamento e também apresenta boa tolerância à seca e à toxicidade de alumínio no solo”, ressalta o pesquisador.

Está sendo apresentada, também, a BRS Tamani, híbrido do capim Panicum maximum, para pastagem. Este cultivar tem porte baixo e alta produção de folhas de alto valor nutritivo (elevados teores de proteína bruta e digestibilidade), produtividade e vigor.

Fonte: Embrapa