Milho

Reação de Híbridos de Milho à Podridão Branca da Espiga

Neste trabalho, avaliou-se a reação de seis híbridos de milho (Zea mays) (AG 9012, C 808, P 3041, C 901, XL 212 e X 9403) de germoplasmas diferentes, a Diplodia maydis inoculados artificalmente nas espigas e à infecção natural de D. maydis e de D. macrospora. O híbrido X 9403 apresentou a menor incidência de grãos infetados e o rendimento de grãos superior dos demais híbridos; o híbrido XL 212 apresentou incidência e rendimento de grãos intermediários. Esses dois híbridos possuem textura de grãos dentados. Os híbridos P 3041, AG 9012 e C 808, com textura de grãos duro, apresentaram rendimentos inferiores e reações variáveis a D. maydis e a D. macrospora. Esses resultados mostraram que existe variabilidade entre híbridos quanto à reação à podridão da espiga causada por D. maydis e a D. macrospora. Na identificação de materiais resistentes, se sugere utilizar métodos artificiais de inoculação, visando aumentar a pressão de seleção e confiabilidade nos resultados.

Veja o artigo na integra clicando aqui.

Autores: Justino L. Mario, Erlei M. Reis & Emídio R. Bonato

Fitopatologia brasileira
Fonte: http://www.agrolink.com.br/culturas/milho/artigo/reacao-de-hibridos-de-milho-a-podridao-branca-da-espiga_118217.html