Quando se usa a cana-de-açúcar na forma in natura (fresca) é necessário adicionar cal?

Resposta: NÃO. A cal só dificulta o manejo na maioria das propriedades, pois é um fator a mais a ser embutido no dia-a-dia da fazenda. A justificativa para se utilizar cal é para não se realizar cortes diários. Contudo, nós recomendamos que você estoque cana-de-açúcar sem fazer a moagem, por um período de até cinco dias, o que pode facilitar o manejo.

A outra justificativa para tal uso é o discurso que a cal promove hidrólise da fibra. Veja bem, o que queremos da planta de cana é o seu alto teor de sacarose, ou seja, não estamos preocupados em melhorar fibra. Cana-de-açúcar tem baixa concentração desse componente (FDN entre 45-50%; Capim-Elefante, por exemplo apresenta 70%), contudo a fibra presente é de baixa digestibilidade. Desse modo, teremos que conviver com isso e adequar o seu uso de acordo com a categoria animal.

Caso você queira explorar o que a cana-de-açúcar tem de positivo, faça um bom manejo do seu canavial, explorando o pico de maturação das variedades. Além desta estratégia invista em manejo pós-corte, despalhando os colmos.

Em experimentos realizados na Universidade Federal de Lavras (UFLA), Siécola Júnior (2011), encontrou resposta positiva em ganho de peso de novilhas leiteiras quando a planta despalhada foi comparada com a cana integral (palhas e ponteiro). Em outro estudo do mesmo autor, a cana despalhada tendeu a aumentar a digestibilidade da dieta e as vacas apresentaram produção de leite numericamente superior frente à cana integral (com palhas e ponteiro). Isso nos remete a pensar que a gestão do canavial e do pós-corte é essencial quando se deseja elevar a eficiência com dietas a base de cana. Resumindo: A cal não melhora o valor nutricional do volumoso!

Fonte: Milkpoint