Tire suas Duvidas

Quais as tecnologias recomendadas para adequação de propriedades para captação de água das chuvas, recarga de lençóis freáticos e revitalização de mananciais e riachos?

Barragens ou “miniaçudes” para captação de enxurradas, que promovem a infiltração da água no solo, interceptando fluxos de erosão laminar podem favorecer o aumento da umidade no solo e a elevação do lençol freático.  Essas tecnologias têm como principal função a recuperação de áreas degradadas pela chuva, além da revitalização e da perenização de mananciais com água de boa qualidade e da amenização de secas e enchentes. Tecnologias para a construção de minibarragens têm sido implementadas em diversas regiões do País desde 1993, trazendo benefícios ambientais, sociais e econômicos para as populações locais. Estão catalogadas 150 mil barraginhas que tiveram envolvimento direto da Embrapa. Foram treinados mais de 600 técnicos das Emateres em 12 anos. Com os técnicos capacitados e a indução via programas de TV, revistas, jornais, etc, foi possível a construção de outras 300.000 barragens pela iniciativa privada. Estima-se, atualmente, cerca de 500 mil minibarragens e miniaçudes em todo o Brasil. Além da tecnologia para construção de barragens, estão disponíveis para as propriedades as tecnologias de conservação do solo e da água como o plantio direto, os sistemas integrados e o terraceamento – técnica agrícola de plantio em nível para a contenção de erosões causadas pelo escoamento da água, principalmente, em áreas com declive acentuado. Dessa forma, as águas das chuvas, ao escoarem superficialmente, perdem força, removendo menos sedimentos do solo.

É possível também adotar a integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), o plantio direto e a construção de terraços nas áreas de produção de grãos e terraceamento nas áreas destinadas à produção de fruteiras, florestas plantadas e pastagens. Essa ação garantiria a “produção” de água nas fazendas, com intensificação da infiltração de água no solo, o que elevaria os níveis dos aquíferos e do lençol freático, permitindo a regularização dos fluxos dos cursos de água durante o ano e, ainda, reduzindo o volume do fluxo instantâneo causador de enchentes após a ocorrência de chuvas intensas.

Outras tecnologias a destacar são:

  • Barragens subterrâneas para aperfeiçoar e equilibrar o processo produtivo, promovendo maior estabilidade e resiliência, em especial dos agroecossistemas do Semiárido;
  • Reúso de água na agricultura e utilização de águas de qualidade inferior (residuária de outros sistemas de produção animal e vegetal, de origem industrial, de origem urbana e salina);
  • Práticas de conservação de solo e água em sistemas de produção irrigados, incluindo manejo do solo, plantio direto, rotação e sucessão de culturas, cultivos consorciados e proteção artificial do solo visando redução da evaporação, tendo a água como variável principal; e
  • Aprimoramento de sistemas de irrigação visando aumentar a eficiência e otimização do uso de água e energia, incluindo a irrigação sítio-específica e a irrigação noturna.

Fonte: www.embrapa.br