Milho

Produtores do Paraná armazenam milho à espera de preços altos

Publicado em 12/07/2016

Depois de bater recordes, o preço do milho começou a perder força com a entrada da segunda safra, em fase de colheita. No Paraná, segundo maior produtor da cultura, o preço médio da saca de 60 kg caiu de R$ 42 para R$ 33,89 nos últimos 30 dias, de acordo com dados do Departamento de Economia Rural (Deral), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab). Uma queda de 20%.

Na esperança de lucrar mais, produtores paranaenses estão armazenando o grão. Na região de Campo Mourão, no Centro Oeste do estado, Ademir Walker conta que colheu 11 mil sacas de milho, mas vendeu apenas 2,5 mil. “O preço estava excelente, mas comecei a colher e a cotação despencou”, reclama. Sem pressa, Walker afirma que vai esperar por cotações mais atrativas. “Na época da colheita é normal essa queda, acredito que em outubro os preços voltem a subir”.

Outro produtor da região, Delair Legnani diz que vai seguir a mesma estratégia: esperar. Ele conta que quando o milho estava em alta, tentou colher, mas não conseguiu por causa da umidade. “O desconto de preço na cooperativa não compensava”. Legnani acredita que a falta do produto no mercado mundial vai acelerar a alta nos preços. “Após o final da colheita, o preço vai disparar novamente. Vou esperar para vender toda a produção”, conta.

Com os preços recordes do começo do ano, o produtor Jorge Oliveira ficou animado e não pensou duas vezes antes de plantar o milho safrinha. No entanto, ficou decepcionado com a recente queda. “A saca por R$ 32 não dá nem para negociar. Vou estocar toda a produção e ficar de olho no mercado”, diz.

Segundo o analista especializado em milho da consultoria Safras & Mercado, Paulo Molinari, a estocagem da produção do milho safrinha é uma tendência, principalmente para o produtor capitalizado que viu o que aconteceu no ano passado, quando preço do cereal estava baixíssimo e disparou. “Neste caso, é natural o produtor reter o estoque para tentar conseguir preços melhores”, explica.

Leia a notícia na íntegra no site Gazeta do Povo.

Fonte: Gazeta do Povo