Pecuária

Produtores do Mais Leite visitam propriedades com excelência na produção leiteira

25/07/2016

As visitas técnicas promovidas pelo programa Mais Leite, do SENAR/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural são consideradas importantes ferramentas de aprendizado para os 930 produtores assistidos em 31 municípios de Mato Grosso do Sul. Com objetivo de aprofundar os conhecimentos sobre a produção leiteira, 25 produtores de Terenos visitaram duas propriedades que são referência no setor: Serra Dourada (42), em Terenos e Fazendão (Campo Grande).

Os locais visitados possuem sistemas produtivos distintos, mas, que exemplificam quais cuidados devem ser adotados para que o produtor aumente a performance dos animais, seja na modalidade de semiconfinamento ou extensiva. Na avaliação dos anfitriões, genética, alimentação e cuidados com os bezerros são fundamentais para o crescimento do rebanho e consequentemente, na produção de leite.

O gerente de bovinocultura de leite, na Serra Dourada, Cirineu Batista explicou ao grupo os diferenciais adotados no sistema semiconfinado, no qual os animais recebem alimento concentrado (silagem) com intuito de complementar a quantidade a ser consumida diariamente. “Atualmente estamos com 250 animais em lactação, com produção de 3,4 mil litros de leite e nosso rebanho é composto basicamente pelas espécies Girolanda, Jersey e Jersolanda. Aqui os animais dormem no pasto e recebem alimentação no cocho, feita a partir de silagem de milho”, detalha.

Um dos manejos que mais atraíram interesse dos produtores foi o tratamento com os bezerros, que demonstra eficácia ao registrar uma taxa de mortalidade menor que 10% considerada mínima no manejo. “Separamos os filhotes recém-nascidos logo após terem consumido o colostro, com prazo máximo de 12 horas. Ainda assim, o leite ofertado no primeiro mês é da ‘mãe’ do bezerro, auxiliando no fortalecimento e desenvolvimento inicial”, argumenta Batista.

Aprendizado – Na avaliação da técnica de campo do SENAR/MS, Carlinda Rezende, o conhecimento de outras realidades na produção leiteira é importante para que os assistidos possam aperfeiçoar ou adaptar técnicas conforme sua condição particular. “As visitas fazem parte do planejamento de atendimento na assistência técnica. Por isso, escolhemos duas propriedades que já consolidaram a produção e que apresentam informações importantes sobre a atividade leiteira”, pontua.

Rafael Cardeal dos Santos, produtor no assentamento Santa Mônica é atendido pela assistencia técnica do Mais Leite e revela que quando assumiu a administração da propriedade não conhecia nada sobre produção de leite. “Larguei emprego na cidade e vim ajudar minha mãe que também sabia pouco. Procurei cursos do SENAR/MS e fui evoluindo cada vez mais. Hoje, me sinto satisfeito por ter uma produção de 60 litros com nove animais em lactação e sempre que posso participo das visitas para buscar mais informação sobre manejo e genética”, esclarece.

A produtora familiar Célia Maria Pimenta possui uma chácara no assentamento Nova Canaã e apesar de enfrentar baixa produção, em razão do clima e reposição de animais confessou estar animada com a visita. “Em cada encontro que participo aprendo mais e levo para minha propriedade. Depois de verificar a produtividade da raça Girolanda decidi que vou investir na raça para melhorar ainda mais minha produção”, reforça.

Para o gerente da fazenda Serra Dourada, a iniciativa do SENAR/MS de propor encontros com produtores de diferentes realidades é fundamental e colabora para a troca de informações sobre a atividade. “Uma propriedade tecnificada pode contribuir com sua experiência para outras, com menor porte e aqui mostramos o trato com os bezerros, a alimentação e diversificação das raças. Acredito que todos saem ganhando com isso, pois, nós também ficamos sabendo quais as demandas de nossos vizinhos e de que forma podemos colaborar com o desenvolvimento da pecuária de leite”, conclui Batista.

Depois da visita a Terenos, o grupo se deslocou para outra propriedade, na saída para São Paulo, onde o proprietário investe em inseminação artificial para melhoramento da raça Girolanda. Acompanhe a próxima publicação.

Fonte: Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural