Suinos

Produtor de suínos supera desafios do setor e busca qualidade de vida dos animais

13/08/2015

Entre altos e baixos, José Eising Esser, Zecão, de Braço do Norte (SC), enxergou na crise, a oportunidade; parcerias foram fundamentais para desempenho da atividade

A família Esser já enfrentou diversas crises econômicas do País e desafios do próprio segmento da suinocultura, mas mesmo assim não desistiu da sua paixão pela atividade e vem investindo cada vez na produção de suínos. Dessa forma, José Eising Esser (Zecão), é considerado hoje um dos maiores produtores independentes do setor na região em que atua.   Além da propriedade de Braço do Norte, em Santa Catarina, os Esser possuem outras granjas, nos municípios de Jaguaruna e Nova Veneza, no mesmo Estado. Com elas, são 300 hectares de área, onde têm um plantel com 1.800 matrizes suínas em ciclo completo e ainda se dedicam à produção de leite e bovinos de corte.

Apesar de ser um produtor independente, Zecão afirma que se mantém informado sobre as novas tecnologias e também que sempre contou com parceiros confiáveis. É o caso da Cooperativa Agroindustrial Alfa (Cooperalfa) – Unidade de Braço do Norte, que oferece suporte e consultoria a partir de uma equipe coordenada pelo Assistente Técnico Rodrigo Mariano Volpato. “É bom poder tomar as próprias decisões, mas com a união me sinto mais seguro”, relata o produtor.

Por outro lado o Gerente Comercial da Cooperalfa, Eudes Biavatti, também comenta a parceria: “um de nossos sonhos como profissionais e cooperativa era trabalhar com a família, que é associada. E o Zecão precisava de alguém para ajudá-lo com os desafios diários da produção, o que nossa equipe é capaz de fazer”, comenta o Gerente Comercial da Cooperalfa, Eudes Biavatti.

Foi por meio da Cooperativa que Zecão conheceu a Nutron, marca da Cargill Nutrição Animal, e suas soluções para suínos, bem como a equipe técnica especializada em produção animal, que compartilha inovações e oferece serviços completos ao cliente. O produtor conta que passou a utilizar a nutrição da Cargill em sua propriedade e, como consequência, já sentiu uma grande diferença. “Conseguimos avançar na questão da qualidade, juntamente com a genética. Graças à Nutron, tivemos uma melhora considerável no desempenho dos suínos: em média dois quilos nas saídas de creche, o que é muito importante no resultado final”, diz.

Segundo o assistente técnico comercial, Gedson Gonçalves, a Cargill Nutrição Animal tem o compromisso de fazer mais e melhor para os seus clientes, buscando atender às suas necessidades e compartilhando os mesmos ideais. “Por isso, entregamos muito mais do que nutrição animal: oferecemos confiança e criamos soluções juntamente com os parceiros, gerando uma forte conexão com a prosperidade de todos que estão ao redor”, diz.

Apesar de hoje ser uma família bem sucedida no setor, sua história nem sempre foi fácil, como conta Dona Maria, esposa de Zecão: “Manter-se nesse segmento é uma luta diária. Isso porque não pensamos apenas no dinheiro: nós lutamos pela qualidade de vida dos animais”.

Desafios superados

Ao longo das últimas décadas, Zecão enfrentou diversas crises econômicas. Ele se recorda que no início dos anos 1990 era normal trocar um quilo de suíno por um quilo de farelo de soja. “Foi a pior fase, mas, pelo menos, tínhamos a alimentação para o plantel. Quando ganhávamos algum dinheiro, investíamos na compra e na estocagem de milho – que é o maior custo na alimentação dos animais – para suportar os momentos mais difíceis”, relembra.

Já em 2012, se deparou com um novo desafio: a dificuldade em se manter na atividade, uma vez que o custo de produção era superior ao valor recebido pelo quilo de suíno vendido. Ou seja: produzir resultava em prejuízo. Mas nem assim desistiu e, então, a recuperação veio nos anos seguintes, com a melhora do preço de venda e o custo de produção mais baixo.

“Os apuros são superados quando trabalhamos com amor, sem visar apenas ao dinheiro ou ao lucro. O resultado vem depois e é por isso que o produtor precisa ter os pés no chão”, aconselha. Outro segredo de Zécão para sobreviver nesse ramo durante tanto tempo tem a ver com a sua visão do negócio, inclusive com o fato de sempre possuir reservas financeiras para investir na atividade suinícola. “A dedicação dele é enorme e chama a atenção. Além disso, ele sempre pensou na questão da segurança financeira, analisando quais seriam as decisões corretas”, ressalta o filho Fernando.

Paralelamente, Zecão, como um grande empreendedor, apoia a família em outras atividades, como é o caso de uma empresa de transportes rodoviários e um supermercado. “É da suinocultura que tiramos o nosso ganha pão. As demais iniciativas surgiram posteriormente, mas também por conta do sucesso de nossas criações”, reforça o produtor.

Para aqueles que lutam para continuar nesse segmento, o produtor Zecão aconselha. “Quem não trabalha por amor dificilmente continua. Tem que gostar até do cheiro do suíno. Afinal, o dia a dia não é feito somente de flores. Muito pelo contrário: na verdade, são muito mais espinhos”, revela.

Fonte: Agrolink