Produtivo

Produção de mudas de mamona cv. BRS 149 nordestina: avaliação preliminar de substrato x recipiente

A estação chuvosa é curta no nordeste e as culturas exploradas precisam ter crescimento rápido para aproveitar a precipitação incidente desde o plantio. A mamona tem germinação e crescimento inicial lento e seu plantio com muda pode ser um a estratégia interessante para maximizar o uso da água. Foram avaliados substratos e recipientes para produção de mudas de mamoneira (Ricinus com munis L. cv. BRS 149 Nordestina), em condições de viveiro em um ensaio na Estação Experimental da Embrapa Algodão, localizada no Município de Missão Velha, CE. As sementes de mamoneira foram semeadas em 23.01.2004. O delineamento experimental foi de blocos ao acaso com 5 repetições e 6 tratamentos em distribuição fatorial 3 x 2: três substratos (mucilagem de sisal (M ) + esterco bovino (E) + solo argiloso (T), na proporção 1:1:1; M + E (1:1); e M + T (1:1) e dois tamanhos de recipientes nas dimensões (1 – 12cm x 15cm x 0,002cm e 2-15cm x 25cm x 0,002cm ). Os substratos constituídos por M+E (M+E+T eM+E) favoreceram ao crescimento das mudas de mamoneira cv. BRS 149 Nordestina; o recipiente de tamanho 15cm x 25cm x 0,002cm foi o que proporcionou maior crescimento das plantas, podendo ser usado para produção de mudas de mamoneira. Sugere-se o transplante das mudas de mamoneira, para o local definitivo, aos 30 DAE.

Fonte: biodieselbr.com