Pecuária

Produção de leite de ovelha ganha força !!!

A produção leiteira de pequenos ruminantes do Brasil é predominantemente caprina, e gira em torno de135 mil toneladas/ano (FAO – 2007) com um rebanho de cerca de 9,1 milhões de cabeças (PPM-IBGE-2009). Ela se concentra nos estados do Nordeste, Sul e Sudeste e a cadeia produtiva, ainda que limitada, existe, e se encontra consolidada, sendo comum a existência de produtores familiares com décadas de tradição e sucesso na atividade, e a demanda e os preços dos queijos e do leite de cabra garantir a venda com lucros por parte desses produtores, que sabem manter a conta dos custos em níveis aceitáveis.

 

Uma outra produção leiteira de pequenos ruminantes, no entanto, começa a tomar corpo no Brasil e aos poucos assume uma representatividade maior na produção leiteira brasileira. Trata-se da produção de leite de ovelha, uma atividade não recente, mas que a cada dia se consolida como um mercado importante para criadores, queijeiros e produtores, em diversas regiões do país.

 

Como exemplo disso, dois produtores de leite de ovelha realizam um importante trabalho de desenvolvimento das raças que criam, com trabalhos interessantes na produção de leite em São Paulo e Santa Catarina, e um grupo de criadores, em Minas Gerais.

 

O primeiro deles é TárcioMichelon, da Casa da Ovelha, de Bento Gonçalves/RS, produtor de leite e de queijos de ovelha e criador da raça ovina Lacaune. O outro é o casal Ruth Villela Andrade e Carlos Schmidt, da Fazenda Valle das Fadas, em Campos do Jordão/SP, na Serra da Mantiqueira que atuam na criação da raça EastFriesian no Brasil.

 

Tárcio possui um rebanho próprio de 300 ovinos, e de terceiros, trabalha com mais 550 ovinos animais de 3 produtores que entregam leite para a Casa da Ovelha, o que totaliza aproximadamente 850 ovinos em sua micro bacia leiteira. Na sua avaliação, uma estimativa, a produção nacional de leite de ovelha está em torno de 400 mil litros por ano, sendo a Casa da Ovelha responsável por cerca de 25% desta produção. A maioria da produção citada por Tárcio é destinada a produção de queijos, com rendimento de 5 a 8 litros de leite para cada kg de queijo. Um pequeno percentual é para a fabricação de outros produtos, como: iogurtes, doces, sobremesas, volume que não passa de 15% do total. Ele avalia as perspectivas do negócio como boas, mas ainda há um longo caminho a percorrer. “É o tipo de negócio que necessita tempo para se viabilizar e criar demanda de mercado para os produtos, pois se trata da introdução de um novo hábito alimentar no Brasil”, explica. Segundo Michelon, a maior necessidade hoje é de empreendedores qualificados e capazes de compreender o atual momento do mercado. “Eu particularmente espero que todos os nossos atuais e futuros parceiros na produção e industrialização deste maravilhoso leite, sejam empresários sérios, criativos e pacientes. Acredito serem virtudes indispensáveis nesta atividade. Mas tem que ser sério e ter criatividade…

 

Fonte: http://www.cabraeovelha.com.br/samba/index.php?option=com_content&view=article&id=150:producao-de-leite-de-ovelha-ganha-forca-&catid=90:leite&Itemid=107

 enviar por email     imprimir    compartilhe: Favoritos      Comente!