Soja

Primeira esmagadora de soja será instalada em Porto Nacional (TO)

03/09/13
Porto Nacional, a 60 quilômetros de Palmas, contará com a primeira esmagadora de soja do Tocantins. Vão ser investidos R$ 285 milhões para a construção da indústria do grupo Granol, com recursos provenientes de convênio com o Banco da Amazônia. O empreendimento deve entrar em operação em fevereiro de 2015.

Durante o lançamento da pedra fundamental da indústria, nesta terça-feira, 3, o Governador destacou a importância do negócio para o desenvolvimento econômico regional e até mesmo estadual, gerando novos postos de trabalho e dinamizando o mercado. “Não podemos exportar emprego e muito menos renda. Temos que dar apoio às indústrias de transformação e estamos fazendo isso pensando em nossa população”, definiu.

O diretor Industrial da Granol, Juan Diego Ferrés, pontuou que os incentivos fiscais ofertados pelo governo do estado são fundamentais para a implantação da indústria e que por meio deles as condições ideais foram viabilizadas para a concretização desta etapa. “Através do incentivo fiscal os estados oferecem condições às empresas para se instalarem, terem condições econômicas e criarem mercado para poder produzir. Por meio desses benefícios cria-se a isonomia tributária, então as empresas podem concorrer, serem competitivas nos produtos oferecidos no mercado”, avalia.

De acordo com o diretor industrial da Granol, serão gerados 350 empregos diretos permanentes, com beneficiamento de mais de 300 mil toneladas de soja por ano. Estes são alguns dos principais benefícios que a esmagadora de soja da Granol trará para o Tocantins.

Para o prefeito de Porto Nacional, Otoniel Andrade, a esmagadora será um divisor de águas para a economia de Porto e municípios circunvizinhos, ampliando as divisas comerciais da região. “Esse projeto agrega toda uma cadeia produtiva, fomentando a criação de bovinos, de peixes e suínos, formando uma cadeia inteira de produção. Porém, o mais importante é a industrialização. Porto é um dos maiores produtores de soja do Brasil e com a industrialização teremos todo esse valor agregado gerando emprego, divisas e fazendo crescer nossa economia, fazendo com que o estado tenha mais condições de investir em educação e saúde, bem como na sua estrutura urbana”, avaliou.

Safra

Na safra 2013/2014, o Tocantins irá produzir 2.648,7 mil toneladas de grãos, seguido do Pará com 1.369 toneladas e de Rondônia com 1.163,2 toneladas. O levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que o Estado produzirá 1.536,4 toneladas de soja este ano, contra 1.382,9 da safra anterior. Este crescimento é decorrente de um aumento de 21,8% da área plantada de soja no Tocantins. O plantio da soja ocupa uma área de 549,5 mil hectares.

“A vinda da Granol é estratégica, pois com os benefícios que o Estado oferece eles terão competitividade no mercado. A indústria estando aqui poderá pagar um preço melhor e especialmente o que vai atrair outras indústrias da cadeia produtiva da soja, a exemplo de ração, facilitando a implantação do parque aquícola, por exemplo”, destaca o secretário de estado da Agricultura e Pecuária, Jaime Café.

Sobre a Granol

A Granol é uma empresa brasileira dedicada à produção e comercialização de grãos, farelos, óleos vegetais e biodiesel para o mercado interno e externo. No Tocantins, a empresa está presente em Porto Nacional com um armazém e uma fábrica de biodiesel. No Brasil, a empresa possui cinco complexos industriais, 41 regionais de compra e armazenagem de grãos, três usinas de biodiesel, uma fábrica de lecitina, um terminal marítimo e outro fluvial, além do escritório matriz em São Paulo. A Granol possui nove mil fornecedores e mais de cinco mil clientes ativos.

Fonte: Agrolink